A+ / A-

Secreta britânica alerta: Estado Islâmico quer fazer “ataques devastadores” na Europa

14 mai, 2018 - 09:30

Desde 2017, foram evitados 12 atentados terroristas no Reino Unido, segundo o diretor do MI5.
A+ / A-

O diretor dos serviços secretos britânicos MI5 disse que o grupo radical Estado Islâmico pretende levar a cabo ataques “devastadores” na Europa depois de ter perdido territórios no Médio Oriente.

Andrew Parker vai abordar o assunto numa conferência que vai decorrer, esta segunda-feira, em Berlim e que reúne responsáveis pelo setor da segurança dos vários países europeus.

Nos extratos do discurso que foram publicados na imprensa britânica, Parker indica que os serviços secretos podem enfrentar as ameaças “através da força e da resistência dos sistemas democráticas” e dos valores que são partilhados pelos parceiros europeus.

O diretor dos serviços de contraespionagem britânico avisa sobre os perigos de novas ações radicais depois do ataque ocorrido no fim-de-semana em Paris em que quatro pessoas foram feridas à facada por um homem que acabou por ser abatido pela polícia.

Entre outros assuntos, o diretor do MI5 indica que 12 “atentados terroristas” foram evitados no Reino Unido desde o ataque que ocorreu frente ao Parlamento britânico, em 2017.

Sendo assim, o número total dos ataques que foram evitados pelos serviços de segurança britânicos ascende a 25 desde 2013.

Segundo os jornais, Andrew Parker vai ainda criticar a Rússia pelo envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e da filha, em Salisbury, no passado dia 4 de março.

O caso Skripal demonstra uma flagrante violação das regras internacionais por parte das autoridades de Moscovo, refere ainda o diretor do MI5 que vai apelar à cooperação entre os países europeus no combate ao “terrorismo”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.