O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Deputados do PSD querem responsabilização política de ministros do "núcleo duro" de Sócrates

10 mai, 2018 - 15:49

Reunião do grupo parlamentar, esta quinta-feira, dominada pelo "caso Sócrates".
A+ / A-

A reunião desta quinta-feira do grupo parlamentar do PSD foi dominada pelo "caso Sócrates", com vários deputados a exigirem a responsabilização política dos atuais governantes, incluindo António Costa, que integraram o ‘núcleo duro’ do antigo primeiro-ministro socialista.

A intervenção do líder parlamentar no debate quinzenal com o primeiro-ministro, que na quarta-feira confrontou António Costa sobre a estratégia do PS em relação aos casos judiciais de José Sócrates e Manuel Pinho, foi genericamente elogiada, embora alguns deputados lamentassem que Fernando Negrão não tivesse dedicado toda a sua intervenção a este tema.

Miguel Morgado, antigo assessor político do ex-primeiro-ministro e ex-líder Passos Coelho, foi o primeiro a introduzir o assunto na reunião da bancada e chamou a atenção que o atual "núcleo duro" do Governo, incluindo António Costa, estiveram nos executivos liderados por José Sócrates, agora acusado de três crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, 16 de branqueamento de capitais, nove de falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.

De acordo com relatos da reunião à porta fechada feitos à Lusa, o deputado social-democrata defendeu que esses governantes não podem dizer que não sabiam de nada, insistiu que são “politicamente responsáveis” e lamentou que o PS continue a exercer o poder com uma visão de “dominação da sociedade”, pedindo ao PSD que continue a exigir explicações.

Na mesma linha, o ex-ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco salientou que “este PS é aquele PS” e que “este Governo é aquele Governo” e exigiu ao PSD que seja consequente e não deixe cair este assunto, concentrando-se nos atuais ministros que estiveram no executivo de Sócrates.

É possível fazer acordos?...

Alguns deputados, incluindo Aguiar-Branco, questionaram se o PSD poderá continuar a fazer acordos com o atual Governo socialista, ao mesmo tempo que o ataca neste âmbito.

O deputado Luís Campos Ferreira defendeu mesmo que o PSD devia ponderar a realização de uma comissão de inquérito alargada a áreas como a OPA sobre a Portugal Telecom e a Parque Escolar, o que não foi rejeitado por Negrão.

O líder parlamentar do PSD, que hoje não prestou declarações aos jornalistas no final da reunião, informou que tem estado em contacto com o presidente do partido, Rui Rio, para coordenar a intervenção neste tema e assegurou que “não largará o assunto”.

A ex-ministra da Justiça Paula Teixeira da Cruz defendeu que foi no anterior governo liderado por Passos Coelho que se registou o “maior combate à corrupção”, enquanto a antiga ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque quis distinguir os casos de governantes do PSD que têm sido envolvidos em processos judiciais depois de saírem do poder, na sua vida profissional, e os casos no PS, que se verificam no exercício de funções.

Na quarta-feira, o líder parlamentar do PSD arrancou o debate quinzenal com perguntas a António Costa sobre a estratégia dos socialistas em relação a José Sócrates: “Porque razão o PS demorou mais de três anos a demarcar-se de José Sócrates e do seu comportamento?”, questionou Negrão, inquirindo se o PS “teve medo de ser contaminado eleitoralmente” com este tema.

Na resposta, Costa acusou Negrão de “deslealdade parlamentar e só aceitou responder na qualidade de cidadão, invocando o princípio da separação de poderes.

“Relativamente ao caso do engenheiro José Sócrates, desde a primeira hora que disse que, não obstante, as relações de amizade, camaradagem, entendi que o PS se devia manter apartado desse debate e devia confiar no sistema de justiça”, afirmou, assegurando que não mudou “em nada” a sua posição sobre a matéria de invocação do princípio da separação de poderes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    10 mai, 2018 TERRADOMEIO 16:58
    O Negrão ainda terá o telefone fora do descanso, ou já se terá deixado disso? É verdade que as tecnologias evoluíram muito...