A+ / A-

Religiões preparam declaração conjunta sobre a eutanásia

10 mai, 2018 - 12:07 • Ecclesia

Iniciativa marcada para 16 de maio, em Lisboa, reúne as principais religiões em Portugal.
A+ / A-

O Grupo de Trabalho Inter-Religioso para a saúde (GTIR) vai promover a 16 de maio uma conferência sobre a eutanásia que envolve diversas Igrejas e comunidades religiosas em Portugal.

A iniciativa decorre na Academia das Ciências de Lisboa, com início agendado para as 15h30, concluindo-se com a assinatura de uma declaração conjunta sobre a eutanásia.

O GTIR engloba as comunidades Islâmica, Israelita, Budista, Hindu e Bahá’í, as Igrejas Adventista, Ortodoxa e Católica, a Aliança Evangélica e o Conselho Português de Igrejas Cristãs (COPIC).

“O assunto da vida humana em processo terminal está claramente em cima da mesa, e na atualidade da agenda social e política para discussão”, assinalam os responsáveis pela conferência inter-religiosa, em comunicado enviado à agência Ecclesia.

A nota sublinha que as diversas tradições religiosas têm “uma mensagem sobre a vida e sobre a morte do homem que muito tem contribuído para a cultura e para a organização das sociedades ao longo dos séculos”.

O programa prevê um primeiro painel sobre o contributo das religiões para a bioética, seguindo-se uma conferência de Walter Oswald, médico e especialista em bioética que a Igreja Católica distinguiu com a edição de 2016 do Prémio Árvore da Vida – Padre Manuel Antunes.

A iniciativa conclui-se com uma mesa-redonda que integra participantes de todas as religiões presentes, com a participação anunciada do Patriarca de Lisboa, cardeal D. Manuel Clemente.

A declaração conjunta a assinar pelos representantes das várias religiões vai ser entregue ao Presidente da República Portuguesa.

A 29 de maio vão ser discutidos na Assembleia da República quatro projetos-lei relacionados com a legalização da eutanásia.

Para o mesmo dia está convocada uma manifestação de vários movimentos contrários à legalização da Eutanásia, como a Federação Portuguesa pela Vida.

A 24 de maio, o “Stop Eutanásia” promove a manifestação “Os Portugueses Não querem a eutanásia”, às 12h30, diante do Palácio de São Bento.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    11 mai, 2018 20:28
    E porque não prepararem uma declaração conjunta sobre abusos sexuais de menores? Ou sobre a mutilação genital que é "tradição" em algumas religiões?
  • Humanista
    10 mai, 2018 Lisboa 14:43
    Obrigar alguém a viver sofridamente, só porque sim… contrariando a sua vontade em nome de uma moral quase sempre alicerçada no divino e, por isso mesmo, divorciada da realidade, é que me parece horrivelmente mau. Quem ataca o direito à eutanásia, não tem em atenção a vontade do outro, mas apenas a sua que quer ver privilegiada e decretada como lei, numa atitude egoísta e prepotente, querendo que toda a sociedade afine pelo seu pensamento, à boa maneira fascista. O que, no mínimo… não é democrático…
  • Humanista
    10 mai, 2018 Lisboa 14:41
    Obrigar alguém a viver sofridamente, só porque sim… contrariando a sua vontade em nome de uma moral quase sempre alicerçada no divino e, por isso mesmo, divorciada da realidade, é que me parece horrivelmente mau. Quem ataca o direito à eutanásia, não tem em atenção a vontade do outro, mas apenas a sua que quer ver privilegiada e decretada como lei, numa atitude egoísta e prepotente, querendo que toda a sociedade afine pelo seu pensamento, à boa maneira fascista. O que, no mínimo… não é democrático…