O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Costa pede aos militantes do PS para debaterem questões do futuro e não do presente

08 mai, 2018 - 00:08

Sócrates tem sido assunto de conversa inevitável entre socialistas, mas Costa não quer que isso marque a agenda do partido.
A+ / A-

O secretário-geral do PS pediu esta segunda-feira aos militantes socialistas que, até ao congresso nacional do seu partido, se concentrem no debate das questões do futuro e não em factos do presente ou do passado.

Esta mensagem foi assumida de forma repetida por António Costa na apresentação da moção de orientação política que leva ao congresso da Batalha (entre 25 e 25 deste mês), intitulada "Geração 20/30", durante uma sessão com militantes da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL).

No discurso inicial do líder socialista, que durou cerca de 30 minutos, estiveram totalmente ausentes referências aos casos de atualidade, à questão da política de alianças, ou às metas eleitorais do PS para as eleições europeias e legislativas.

"Não faz sentido que o nosso congresso seja sobre o presente, mas sobre o futuro do nosso país", sustentou, antes de argumentar que, nos últimos dois anos e meio, o seu executivo, suportado pela esquerda parlamentar, "cumpriu o que prometeu".

"Por isso, neste congresso, temos a oportunidade de poder fazer algo que é essencial em política, mas que muitas vezes não temos nem tempo nem condições para o fazer", disse.

Ou seja, de acordo com António Costa, o PS dispõe da oportunidade de agora "não ter olhar para o drama de hoje, nem para a questão que se vai colocar amanhã, podendo antes concentra-se no horizonte de médio e longo prazo, nas grandes questões estratégicas que se colocam ao país".

Mas António Costa, na parte final do seu discurso, foi ainda mais longe neste apelo sobre o que deseja que os delegados socialistas discutam no próximo congresso.

"O objetivo da moção não é antecipar o programa do Governo, que aprovaremos em junho julho do próximo ano, mas definir opções estratégicas. É esse o debate que quero que se faça aqui no partido, nesta semana, nas próximas semanas e no congresso", declarou.

Neste contexto, o secretário-geral do PS invocou mesmo o fundador e primeiro líder do partido, Mário Soares.

"O PS foi criado porque era essencial haver um partido que soubesse conciliar os valores da solidariedade, da igualdade, da liberdade e da democracia para servir Portugal e os portugueses. Aquilo que nos cabe é relativamente curto na história deste partido com 45 anos, mas é de enorme responsabilidade: Sermos nós a dar continuidade nos próximos dois anos àquilo que foi iniciado por Mário Soares há 45 anos e que foi continuado por diferentes líderes, um após outro", afirmou, em estilo de conclusão.

Esta foi a única referência indireta ao antigo secretário-geral José Sócrates, que se demitiu na sexta-feira passada deste partido.

Perante os militantes da FAUL, o discurso de António Costa foi em grande parte preenchido com a questão do combate às alterações climáticas, um dos quatro eixos centrais da sua moção "Geração 20/30".

No plano político, o secretário-geral do PS considerou que hoje, em Portugal, "vive-se melhor do que há dois anos e meio".

"Há agora confiança na economia e nas instituições portuguesas, o que é um grande valor para o país", acrescentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.