O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Federação Portuguesa pela Vida marca concentração frente ao Parlamento

05 mai, 2018 - 21:10

“Todos nós que nos temos empenhados nesta luta temos consciência que a eutanásia não é desejada pela nossa população”, refere comunicado.
A+ / A-

No dia 29 de maio vão ser discutidos quatro projetos de lei que pedem a legalização da eutanásia. Por isso, a Federação Portuguesa pela Vida (FPV) marcou uma concentração em frente ao Parlamento para esse dia.

A FPV lembra que, através da campanha Toda a Vida tem Dignidade, tem combatido “este ataque à Vida e à dignidade das pessoas doentes e em fim de vida”.

Em comunicado, a Federação refere que “é a hora de sair à rua (com todos os movimentos sociais e as organizações que têm intervindo neste debate) para demonstrar aos deputados a indignação de que temos sido testemunhas nestes dois anos”.

“Todos nós que nos temos empenhados nesta luta temos consciência que a eutanásia não é desejada pela nossa população”.

A organização confirma “uma concentração em frente ao Parlamento no dia 29, terça-feira, às 13h30. Para este evento ser um sucesso é necessário que todos nos juntemos para assim conseguir trazer a São Bento o maior número de pessoas”.

Já no dia 24 de maio há outra manifestação, organizada pelo Movimento Cívico Stop eutanásia, marcada para frente ao palácio de São Bento para "apelar aos deputados" e lembrar-lhes o "descontentamento popular sobre a legalização da eutanásia".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    06 mai, 2018 Viseu 08:26
    A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. O parlamento, os tribunais, os hospitais, os médicos e enfermeiros existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros. Quem não defende a vida humana em todas as circunstâncias, não defende a humanidade!
  • Anónimo
    06 mai, 2018 04:03
    Federação Portuguesa pela Vida? Não será mais para se meterem na vida dos outros?