|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Regionalização. Capoulas Santos admite novo referendo na próxima legislatura

03 mai, 2018 - 14:23

"O país já se pronunciou sobre esta matéria e, para que o processo possa ser invertido, terá se ser realizada nova consulta", sustenta o ministro da Agricultura. PSD remete para o acordo sobre descentralização assinado com o Governo.

A+ / A-

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, admite a possibilidade de realiação de um novo referendo à Regionalização, na próxima legislatura.

"Não me repugnaria que, na próxima legislatura, se possam criar condições para realizar um referendo sobre essa matéria", disse Capoulas Santos, esta quinta-feira, em entrevista à Renascença.

"Pessoalmente, sempre fui favorável à Regionalização e continuo a sê-lo. Mas o país já se pronunciou sobre esta matéria e, para que o processo possa ser invertido, terá se ser realizada nova consulta", sustenta o ministro da Agricultura. "Já passou tempo suficiente", remata.

Não há "tabu" no PSD

Do lado do PSD, o presidente da Associação Nacional dos Autarcas Social-Democratas (ANASD), Álvaro Amaro, não fecha a porta à possibilidade de se realizar um referendo na próxima legislatura, mas remete para o acordo sobre descentralização assinado entre o Governo e o PSD.

"Nós fizemos um acordo com o Governo e do acordo consta a constituição de uma comissão com seis individualidades que nos possa dizer, daqui a um ano, que a melhor organização do Estado no nível sub-nacional pode passar pela regionalização."

Para Álvaro Amaro, o importante, neste campo, "é pôr o pais a discutir qual é a melhor forma do Estado se organizar, no nível abaixo da administração central", algo que "não é nenhum tabu".

"Vamos ver se na próxima legislatura podemos estar em condições de discutir o assunto, também à luz desse estudo", remata o presidente da ANASD.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.