A+ / A-
Caso dos e-mails

Francisco J. Marques. "18 milhões de indemnização? Antes disso, muita coisa vai ser julgada"

24 abr, 2018 - 23:12

Reação do diretor de comunicação do FC Porto à notícia de que o Benfica intentou uma ação judicial reclamando quase 18 milhões de euros de indemnização.
A+ / A-

O diretor de comunicação do FC Porto está confiante de que a justiça civil voltará a dar razão ao emblema da Invicta, no processo que diz respeito à ação intentada pelo Benfica contra os azuis e brancos, por prejuízos e danos provocados pelo polémico caso dos e-mails.

A SAD encarnada deu entrada, no Tribunal Cível do Porto, de uma ação na qual reclama uma indemnização de 17,7 milhões de euros e que decorre da decisão do Tribunal da Relação da Invicta, que deu provimento à providência cautelar interposta pelas águias, proibindo a divulgação de mais e-mails pelos azuis e brancos.

"O FC Porto ainda não foi notificado", começou por reagir Francisco J. Marques, esta terça-feira, durante a participação habitual no programa "Universo Visto da Bancada", do PortoCanal.

Ainda assim, o "homem forte" da comunicação portista traça uma comparação curiosa relativamente ao histórico sucesso que, defende, o FC Porto tem tido dentro de campo, frente ao Benfica e, até, fora das quatro-linhas.

"O histórico dos confrontos jurídicos entre FC Porto e Benfica é-nos muitíssimo favorável. Deve ter a mesma proporção dos confrontos dentro de campo. Basta recordar o Apito Dourado, com uma vitória a toda a linha do departamento jurídico do FC Porto e o caso do túnel que, apesar de o Benfica ter um juiz a seu favor - que era o Ricardo Costa -, acabou por perder. E, ainda, o caso da tentativa de exclusão do FC Porto da Liga dos Campeões, quando o Benfica se aliou ao Vitória de Guimarães. Neste caso, confio plenamente que será mais uma vitória do FC Porto", prosseguiu, deixando uma previsão curiosa.

"Acho que, antes desse processo ser julgado, muita coisa vai ser julgada. E vamos ver onde estarão essas pessoas [dirigentes do Benfica]", aludindo, aparentemente, ao delicado processo "E-toupeira", que envolve o assessor jurídico dos encarnados, Paulo Gonçalves.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.