A+ / A-

​Inédito. Polícias e militares juntam-se contra congelamento das carreiras

17 abr, 2018 - 10:54

Associações garantem que esgotaram "todos os canais possíveis de diálogo sem qualquer resultado”.
A+ / A-

Pela primeira vez, polícias e militares vão juntar-se em iniciativas de protesto. As formas de luta vão ser anunciadas esta terça-feira, em Lisboa.

A conferência de imprensa é realizada pelas associações Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), Nacional de Sargentos (ANS), de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) e de Praças (AP), Nacional de Sargentos da Guarda (ANSG) e Sindicato Independente dos Agentes de Polícia (SIAP).

As associações que representam todos os ramos das Forças Armadas, GNR e PSP alegam que as negociações com o Governo sobre o descongelamento das carreiras de milhares destes profissionais estão bloqueadas.

“Esgotámos todos os canais possíveis de diálogo sem qualquer resultado”, garante o presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA), António Mota.

Em declarações ao programa Carla Rocha – Manhã da Renascença, António Mota explica que expuseram as razões da sua insatisfação perante o Governo e a Presidência da República, mas que não obtiveram “eco absolutamente nenhum”.

Nesta entrevista, não revelou quais são as formas de luta que vão ser anunciadas, mas garantiu que não vão desistir dos seus objetivos.

“Nós iremos até onde nos obrigarem a ir. Desta vez não tenham dúvida absolutamente nenhuma. Pela primeira vez estamos todos unidos e estamos fortemente determinados”, rematou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.