A+ / A-
Justiça

"E-toupeira". Paulo Gonçalves sai em liberdade, José Silva em prisão preventiva

07 mar, 2018 - 22:26

Diretor jurídico da SAD do Benfica proibido de contactar com os restantes arguidos. Técnico informático do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça recebe medida de coação mais gravosa da parte da juíza de instrução.
A+ / A-

A juíza de instrução Cláudia Pina, encarregue do processo "e-toupeira", deixa Paulo Gonçalves em liberdade mas proíbe o diretor jurídico da SAD do Benfica de contactar com os restantes arguidos do processo.

Já José Silva, técnico informático do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, fica em prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa.

Nem José Silva nem Paulo Gonçalves prestaram declarações à saída do Campus da Justiça, em Lisboa, remetendo-se ao silêncio após consulta de todo o processo.

Numa primeira fase, o Ministério Público requeria que Paulo Gonçalves ficasse impedido de entrar no Estádio da Luz. Ora, a juíza encarregue do caso "e-toupeira" não acedeu a esse pedido, optando apenas pela tal proibição de contactos com os outros arguidos.

Desta forma, Gonçalves pode frequentar a Luz e, por consequência, manter-se em funções no Benfica, até porque não foi anunciado qualquer tipo de suspensão do assessor.

De que são indiciados Paulo Gonçalves e José Silva?

Paulo Gonçalves foi indiciado por um crime de corrupção ativa e ainda, em coautoria com José Silva, de quatro crimes de violação de segredo de justiça.

Quanto a José Silva, é indiciado por um crime de corrupção ativa, quatro crimes de violação de justiça, um crime de falsidade informática, nove crimes de acesso ilegítimo e burla informática.

Na terça-feira, a Polícia Judiciária deteve José Silva e Paulo Gonçalves, depois de ter realizado 30 buscas nas áreas do Porto, Fafe, Guimarães, Santarém e Lisboa, que levaram à apreensão de relevantes elementos probatórios.

SAD do Benfica pode ser constituída arguida

Ao que a Renascença apurou, a Benfica SAD pode também ser constituída arguida.

A decisão não foi ainda tomada, mas os investigadores não descartam essa possibilidade, caso venham a obter indícios suficientes de que Paulo Gonçalves agiu no interesse do Benfica.

A hipótese está em aberto desde que a operação foi planeada e continua em cima da mesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Leão de Amsterdam
    08 mar, 2018 Amsterdam 10:29
    Claro que o toupeira tinha de ser solto,se foi dada ordem se soltura ao assassino do italiano assassinado frente ao colombo antes de ser julgado está tudo dito.É esta a nossa justiça?