A+ / A-
Nova Ágora

Arquidiocese de Braga promove ciclo de conferências. D. Jorge apela ao “inconformismo profético”

13 fev, 2018 - 01:08 • Isabel Pacheco

Ecologia, cidadania responsabilidade social, envelhecimento e qualidade de vida são alguns dos temas em debate, nas três primeiras sextas-feiras de março.
A+ / A-

A Arquidiocese de Braga volta a “abrir as portas” para mais uma edição da Nova Ágora, um ciclo de conferências dedicadas, este ano, à ecologia, à cidadania e responsabilidade social, ao envelhecimento e qualidade de Vida.

Serão três momentos de reflexão que o arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, espera que suscitem a esperança e que provoquem um “inconformismo profético”.

“Todas as conferências vão ser um momento e uma oportunidade para suscitar a esperança” nas diferentes áreas em debate. Uma esperança, explica o prelado de Braga, que provoque o “inconformismo profético. Sermos profetas. O profeta que fala, anuncia, que denuncia, mas que também intervém”, admite.

A iniciativa, que se repete desde 2015, aposta no diálogo intercultural sobre temas da sociedade onde todos são bem-vindos, crentes e não crentes.

“Queremos, efetivamente, que a Nova Ágora seja o abrir das portas da Arquidiocese de Braga para acolher todos os bem-intencionados na construção de um mundo melhor”, insiste o D. Jorge Ortiga, que esclarece que não é intuito cingir os oradores a “pessoas ligadas à Igreja, mas a pessoas inquietas com o futuro da sociedade”.

Os ministros Vieira da Silva e João Matos Fernandes, o historiador Pacheco Pereira ou médico e investigador Sobrinho Simões são alguns dos oradores do ciclo de conferências que, nas três primeiras sextas-feiras de março, vai lançar um olhar sobre a ecologia, a cidadania e responsabilidade social, o envelhecimento e a qualidade de Vida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.