A+ / A-

Um euro por levantamento com caderneta da Caixa? Um "abuso" e um "assalto"

01 fev, 2018 - 11:16 • Cristina Branco

Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados contesta os anunciados aumentos de comissões e a novidade da cobrança de um euro nos levantamentos.
A+ / A-

A presidente da APRe - Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados, Maria do Rosário Gama, classifica como "abuso", "violência" e "assalto" os anunciados aumentos, agendados para abril e maio, de comissões na Caixa Geral de Depósitos (CGD), em particular, a cobrança de um euro por cada levantamento de dinheiro com caderneta.

"É a comissão para ter a conta, agora é uma comissão para o levantamento. Onde é que isto vai parar? Não tem qualquer sentido, considero que isto é um abuso e um assalto às pessoas", declara Maria do Rosário Gama, em declarações à Renascença.

"Temos pedido à população mais idosa para não ter dinheiro em casa, há ações da GNR, que vai a casa das pessoas para prevenir contra burlas. Isso significa que as pessoas não devem ter dinheiro em casa, que não devem levantar a pensão de uma vez, mas a pagar um euro por cada levantamento... Quanto é que vão pagar? Até custa a crer que esta ideia seja realidade", completa a presidente da APRe.

Maria do Rosário Gama lembra que o problema das comissões já tinha sido exposto pela APRe "numa audiência com o ministro das Finanças, em dezembro", e admite, agora, "pedir uma audiência à administração da Caixa e talvez também ao governador do Banco de Portugal, para tentar reverter esta situação, que é, de facto, uma violência".

De acordo com o "Público", a Caixa admite excepções na cobrança de um euro nos levantamentos com caderneta em casos em que não exista ou se encontre avariada a caixa automática da próprio banco público, em que seja manifesta a incapacidade do cliente para a utilização de dispositivos automáticos ou no caso de reformados com pensão mensal de valor inferior a 835 euros.

As alterações ao preçário a fazer a partir de abril trazem vários agravamentos na requisição e pagamento de cheques. Em maio, chegará o pagamento de um euro pelos levantamentos de dinheiro com caderneta.

Levantamento com caderneta taxado apenas ao balcão

O banco público garante que as alterações nas comissões são pontuais e desmente agravamento para empresas. Contactado pela Renascença, o porta-voz do banco admite que a partir de maio o levantamento de dinheiro através da caderneta ao balcão passa a custar um euro, mas os clientes podem continuar a levantar o dinheiro com as cadernetas nas caixas automáticas, de forma gratuita.

A mesma fonte explica que os jovens até aos 26 anos mantêm as isenções na íntegra, sendo que o que vai acabar em maio é o Mega cartão jovem, que se destinava para uma faixa dos 26 aos 29 anos.

Quanto às empresas, a CGD desmente a penalização para operações no estrangeiro.

[notícia actualizada às 12h43]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Angeliquinha
    01 fev, 2018 Futuro 20:41
    Em pleno século XXI?? E o que é que tem o século XXI de especial?? Alguém inventou alguma coisa no século XXI??? Há por aí umas inteligências que vivem num mundo virtual. DESCEI À TERRA!!
  • Ângela Cristina Silv
    01 fev, 2018 Tondela 19:30
    Sou completamente contra ao levantamento feito com cadernetas. Em pleno século XXI já não se usa cadernetas, para além de ser perigoso acho bem que cobrem um 1 €. Usem o cartão Multibanco
  • Eborense
    01 fev, 2018 Évora 15:57
    Temos que pagar os que os ladrões roubaram e as regalias dos funcionários deste banco. Sou cliente da Caixa há mais de 30 anos, mas estou a pensar seriamente em mudar.