O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

SIRESP vai colocar 451 antenas até Maio

31 jan, 2018 - 14:40

As novas antenas servirão de “reforço de mecanismos de redundância” e serão colocadas em zonas consideradas prioritárias e definidas pela Autoridade Nacional de Protecção Civil, avançou o ministro da Administração Interna, no parlamento.
A+ / A-

A rede SIRESP (Rede de Emergência de Comunicações do Estado) vai colocar 451 antenas satélite, a partir de Maio, nas áreas consideradas de risco de incêndio este ano, anunciou, esta quarta-feira, o ministro da Administração Interna.

Estas são antenas servirão de “reforço de mecanismos de redundância”, nomeadamente para o combate aos incêndios, e serão colocadas em zonas consideradas prioritárias e definidas pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), afirmou o ministro, numa audição regimental na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais.

O SIRESP, afirmou, já está a fazer consultas ao mercado para estas antenas serem colocadas até Maio, meses antes da época crítica de combate aos incêndios.

O mapa com as áreas consideradas críticas foi mostrado pelo ministro aos deputados. A maior parte dos incêndios de prioridade estão localizados a norte e centro do país e a sul, no Algarve, afectando 189 concelhos e 1.049 freguesias.

Para este ano, o Governo prevê a contratação de 50 meios aéreos (aviões e helicópteros), iniciando a sua fase de prontidão em Fevereiro e um deles colocado na Madeira, a utilização de meios químicos (gel retardante).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Tiago Pereira da sil
    31 jan, 2018 Ourém Freixianda 20:41
    O que é que vai valer a pena esta ano ? nada. Eu anos atrás tinha sempre onde apanhar pinhas de pinheiros agora está mais difícil porque queimou tudo ansião Ourém, Alvaiázere. para mim não vale a pena instalar essas atenas da Siresp. Essas atenas só vão ser necessárias a partir 2021.
  • AA
    31 jan, 2018 LX 16:09
    O QUE O GOVERNO DEVERIA TER FEITO ERA RESOLVER UNILATERALMENTE O CONTRATO POR GRAVE INCUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES. DEVE HAVER MUITOS AMIGOS QUE FAZEM PARTE DA EMPRESA. PÕE-SE MAIS UMAS ANTENAS, PARA CALAR O POVÃO, E CONTINUA NO ESSENCIAL TUDO NA MESMA. ALIÁS, À SEMELHANÇA DA MÁ ELABORAÇÃO E REANÁLISE DO CONTRATO ATRIBÚIDA À LINKLATERS ONDE ESTAVA O AMIGO SIZA QUE AGORA É MINISTRO. JURISTAS QUE SE PREZEM SÓ DEVERIAM ERA TER RECOMENDADO A RESOLUÇÃO UNILATERAL DO CONTRATO POR GRAVE INCUMPRIMENTO. MAS A CORRUPÇÃO CONTINUA ÀS CLARAS NESTE PAÍS.
  • Descomunicação
    31 jan, 2018 Lisboa 15:40
    Falta de antenas foi um dos grandes problemas. Outro foi radios transmissores a mais. Em cem bombeiros a a actuar no TO cinquenta andam em comunicações constantes. Muito gosta o indígina de mandar e dar ordens.