O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Capoulas Santos. Apoios a agricultores devem chegar em Fevereiro

13 jan, 2018 - 16:37

Candidaturas aos apoios estão a ser analisadas. Em causa estão ainda os incêndios de 2017.
A+ / A-

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, diz que os agricultores que sofrerem prejuízos mais avultados nos incêndios de 2017 deverão começar a receber em Fevereiro os apoios relativos às candidaturas apresentadas.

"Estão a ser analisadas as candidaturas, são candidaturas que, pelo seu montante, até 400 mil euros, têm maior complexidade, mas penso que até final deste mês, meados de Fevereiro, haverá condições de ter essas candidaturas aprovadas e começar a pagar. A partir desse momento [da aprovação] são pagas contra os comprovativos de despesa", disse à agência Lusa Capoulas Santos.

Intervindo na sessão solene comemorativa do 120.º aniversário da restauração definitiva do concelho de Vila Nova de Poiares, distrito de Coimbra, o titular da pasta da Agricultura disse que 44 municípios foram afectados pelos grandes incêndios de 2017 e mais de 23 mil agricultores sofreram prejuízos.

De acordo com Capoulas Santos, o conjunto de apoios pagos até há poucos dias, ultrapassa os 55 milhões de euros, concretamente para quem sofreu prejuízos inferiores a cinco mil euros.

Já para os agricultores que apresentaram candidaturas para apoios a prejuízos entre os cinco e os 400 mil euros serão necessários, segundo Capoulas Santos, cerca de 49 milhões de euros.

"Os incêndios de Outubro significam a multiplicação por dez da tragédia de Pedrógão", frisou o ministro na sua intervenção.

Na ocasião, Capoulas Santos agradeceu a disponibilidade do município de Vila Nova de Poiares em receber uma das cinco plataformas logísticas de apoio à alimentação de animais, na sequência dos incêndios de Outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    13 jan, 2018 évora 18:39
    Também apoiam as famílias que ficam desempregadas e tem de ir ou lhe tiram os filhos a amamentar como de objetos descartáveis fossem ou os obrigam a entrar no negócio oculto de venda de carne humana ? Deixam as famílias cair na desgraça para justificar a quantidade de instituições existentes e a quantidade de euros que lá metem a fundo perdido para uns não terem nada e outros vestirem Prada e terem Mercedes novos todos os anos ! Deviam ter vergonha na cara !