O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Teatro

Actores numa montanha russa emocional

30 dez, 2017 - 11:49

Bruno Nogueira, Luísa Cruz, Miguel Guilherme, Nuno Lopes e Rita Cabaço protagonizam "Actores", no Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa.
A+ / A-

O trabalho de um actor em palco, as personagens interpretadas, as falhas e os medos acumulados, tudo isto é convocado na peça "Actores", que o encenador Marco Martins estreia no dia 11, em Lisboa.

"Actores", que estará em cena no Teatro Municipal São Luiz, é o resultado de um trabalho colectivo de escrita dos actores Bruno Nogueira, Luísa Cruz, Miguel Guilherme, Nuno Lopes e Rita Cabaço, com dramaturgia e encenação de Marco Martins.

O texto dramatúrgico tem por base a experiência de teatro de cada um daqueles actores, de gerações e percursos distintos no teatro português. Em palco são convocados excertos de peças em que participaram, em momentos diferentes da carreira, mas também são revelados medos, falhas ou as primeiras experiências na representação.

"Apeteceu-me fazer este género de olhar retrospectivo sobre os percursos de cada actor. Achei bonito essa ideia de não ir buscar os momentos mais marcantes, não queria um 'best of', mas os momentos que para eles tinham sido mais significativos", explicou Marco Martins à agência Lusa.

Marco Martins, que está presente em cena no papel de encenador, quis explorar essa "máquina emocional que é o actor", pegando na memória de cada um deles e transformando-a em ficção.

O espectador poderá reconhecer algumas personagens ou o texto representado pelos actores, mas Marco Martins diz que na peça não interessa fazer-se distinção entre verdade e mentira.

"A verdade, seja lá qual é, está no meio, entre a ficção e a realidade. Eu jogo muito nessa confusão. Porque a nossa memória também é ela própria uma fingidora, é uma criadora de ficções", disse.

A actriz Luísa Cruz co-assinou o trabalho criativo de "Actores", mas acabou por ter de abandonar o projecto por exaustão, por acumular outros trabalhos; uma situação que Marco Martins diz ser representativa do que é ser actor em Portugal.

Em palco, no lugar de Luísa Cruz e a contar as histórias dela, surge a actriz Carolina Amaral.

"Fazemos um teatro de grande qualidade em Portugal e em condições muito difíceis, que não se comparam com os outros países europeus, pelo menos", opinou Marco Martins elogiando o "carácter autoral e identitário muito forte", como no cinema português.

Mas do lado da representação, "os actores são muito vítimas da precariedade do trabalho".

"A ideia de que tenho um espaço onde posso desenvolver o meu trabalho ao longo dos anos não existe cá. Eu acho que é extremamente violento para o intérprete. É uma versatilidade forçada", lamentou.

"Actores" estará em cena no Teatro Municipal São Luiz, de 11 a 28 de Janeiro, e está garantida apresentação também no Teatro Nacional de São João no Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.