O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ana vive sem fazer lixo. E já não se sente uma extraterrestre

02 jan, 2018 - 13:37 • Inês Rocha

Ana Milhazes Martins começou a viver sem lixo em 2016 e está a ajudar a comunidade "Lixo Zero" em Portugal a crescer. Já não recebe tantos “olhares estranhos” quando recusa descartáveis em lojas ou restaurantes. Mas, se mandasse, proibiria a venda de palhinhas, loiça e escovas de dentes plástico.
A+ / A-
Nove itens essenciais para conseguir viver sem fazer lixo
Nove itens essenciais para conseguir viver sem fazer lixo

“Não”. É esta a palavra que Ana Milhazes Martins tem sempre na ponta da língua quando vai a um qualquer estabelecimento comercial. “Não quero, não preciso”. Recusa tudo o que sabe que vai acabar no lixo – guardanapos, palhinhas, embalagens, loiça descartável, talões, brindes.

A gestora da página Lixo Zero Portugal e autora do blogue Ana, Go Slowly admite que o estilo de vida que adoptou em 2016, de “desperdício zero”, nem sempre é fácil de levar. Mas vê alguma evolução em Portugal: já não se sente sempre uma “alien” (extraterrestre), “aquela maluquinha estranha do lixo”. “Explico porque é que vivo desta forma e as pessoas já acham normal”, conta.

A "blogger" orgulha-se de, nos últimos meses, ter reduzido ao máximo o lixo que produz. Em Agosto, começou a colocá-lo num frasco, seguindo o exemplo da fundadora do movimento “Zero Waste” à escala global, Bea Johnson. O lixo que a americana produz num ano, juntamente com o marido e os dois filhos, cabe num pequeno frasco de vidro.

Neste momento, Ana Milhazes Martins já quase não faz lixo. “A única coisa que está no meu frasco é pêlo do meu cão”, garante. Mesmo esse, está a juntar para o devolver à natureza. “Não faço lixo orgânico suficiente para decompor aquele pêlo, portanto vou colocá-lo num local com árvores, porque os pássaros vão buscá-lo para fazer ninhos”, explica.

O objectivo? Ir contra a corrente. Dizer não ao consumismo desenfreado que está a transformar os oceanos em lixeiras a céu aberto. “Já não é suficiente reciclar, temos mesmo que tentar reduzir a quantidade de lixo que fazemos”, afirma.

Apesar de notar uma crescente abertura nas pessoas a este tema, Ana considera que a iniciativa de produzir menos lixo difícil de reciclar deve partir mais das empresas e do poder político. Se fosse governante, acabava com todos os produtos descartáveis, proibia a venda de escovas de dentes e palhinhas de plástico, substituindo-as por outras de bambu ou, no caso das últimas, de aço inoxidável.

“Os copos, os pratos, os talheres... tudo isso foi uma coisa que a sociedade moderna inventou para ser prático, mas está a destruir os nossos oceanos”, afirma.

Ana Milhazes Martins explica quais as alternativas que usa para evitar o desperdício
Ana Milhazes Martins explica quais as alternativas que usa para evitar o desperdício

A activista apoiaria ainda a criação de taxas ou multas para as empresas que não usassem materiais biodegradáveis ou recicláveis, preferindo os plásticos. E sugere que haja mais incentivos à compra de produtos a granel.

Como viver sem fazer lixo?

Numa sociedade consumista, eliminar totalmente o lixo que produzimos não é fácil, admite Ana Milhazes Martins.

O primeiro passo para quem quer começar a evitar o desperdício é, para a "blogger", recusar os descartáveis. Pedir uma chávena e uma colher “de verdade” sempre que possível, recusar pratos e talheres de plástico, não aceitar brindes de que não precisamos. “Essa é a principal força que temos.”

Ana tenta sempre explicar o porquê de dizer “não” a quase tudo. “Quando eu explico, eu deixo lá a semente. Tenho a certeza que a pessoa depois fica a pensar naquilo”, diz.

O segundo passo é “olhar para o caixote do lixo e ver o que está lá, quer nas embalagens quer no lixo comum. O que é que podemos diminuir já? No meu caso, olhei para o lixo e tinha essencialmente comida e toalhitas”. “Portanto, tentei atacar essas duas frentes e quando comecei a fazer compostagem e a usar toalhitas de pano consegui uma grande redução”, conta.


10 dicas para tornar a sua vida “Zero Waste”:

  • Tenha na carteira um "kit" ecológico para poder recusar descartáveis: guardanapo de pano; talheres reutilizáveis; pauzinhos; palhinha de aço inoxidável; garrafa de água reutilizável.
  • Compre a granel sempre que possível (veja aqui onde comprar) – use sacos de pano e frascos para transportar as compras;
  • Congele a comida em frascos de vidro e sacos de pano;
  • Dê preferência a embalagens de alumínio, papel, vidro ou ferro, pois podem ser reutilizadas e conseguem ser totalmente recicladas;
  • Faça vinagre caseiro para usar em limpezas;
  • Cole um autocolante "Publicidade não” na caixa de correio;
  • Para as mulheres: use copo menstrual e pensos higiénicos em tecido, laváveis;
  • Faça compostagem em casa com o lixo orgânico;
  • Quando tiver que trocar de escova de dentes, compre uma de bambu (são biodegradáveis). Use as antigas nas limpezas;
  • Use champô e amaciador sólidos, em barra, e prefira os sabonetes sólidos aos líquidos, que vêm em embalagens de plástico.

Consulte o guia completo de Ana Milhazes para ter uma vida com “Desperdício Zero”.



"Dinheiro que vai para o lixo"

Ana garante que o estilo de vida que escolheu é muito mais económico do que o consumista. “A grande vantagem do granel é que compramos a quantidade que queremos. Muitas vezes, vamos fazer determinada receita, compramos um quilo de qualquer coisa e fica em casa e estraga-se. É dinheiro que vai para o lixo”.

Ainda assim, admite que “a maior parte das mercearias que vendem produtos a granel são biológicas, e não podemos comparar o preço do supermercado do produto convencional com o produto biológico”. Mas diz já ter feito a comparação no que toca a produtos biológicos: “muitas vezes o preço ou é igual ou a granel é mais barato. Para mim compensa muito."

Uma vida com pouca “tralha”, em casa e na agenda

Apesar de só ter agarrado o desafio do “Desperdício Zero” há um ano e meio, Ana Milhazes Martins já tinha aderido ao minimalismo em 2011. Nessa altura, sentiu que tinha “demasiadas coisas a acontecer” na sua vida e decidiu começar a eliminar o que não lhe interessava realmente.

A limpeza foi desde a sua casa – divisão a divisão, foi eliminando toda a “tralha” que tinha a mais – até aos compromissos na agenda e mesmo às pessoas com quem se relacionava.

Reduziu toda a sua roupa a cerca de um terço, de forma a caber tudo num armário apenas; livrou-se de objectos de que não precisava e procurou doar tudo a quem mais precisava; escolheu os passatempos e compromissos que realmente a preenchiam e afastou-se mesmo das pessoas com quem já não se identificava.

A decisão foi libertadora. Ao eliminar tudo o que estava a mais, conseguiu descobrir novas paixões – como o ioga, que hoje é a sua actividade principal.

Depois de quase 10 anos a trabalhar na área das Tecnologias de Informação, Ana trocou a secretária pelo tapete de ioga em Novembro deste ano. Hoje, aos 33 anos, dedica-se a dar aulas de ioga e meditação, além de gerir o blogue “Ana, Go Slowly”, a página Zero Waste Portugal - Lixo Zero e o grupo de Facebook Lixo Zero Portugal, que já conta com quase 2 mil membros.

O objectivo do grupo é a partilha de experiências entre os que já aderiram a este estilo de vida e aqueles que estão ainda a dar os primeiros passos.

Para Ana, tem sido uma fonte de inspiração e de novas amizades. “No grupo formou-se uma comunidade em que há um grande espírito de entreajuda”, conta.

Aquilo que a deixa mais feliz é sentir que está a inspirar outros e a fazer diferença. “Fico muito contente quando as pessoas me vêm dizer que aquilo que publiquei fez com que começassem a mudar”, conta. “Às vezes, achamos que uma pessoa só não faz diferença, mas todos juntos fazemos”, considera.

Desde 1950 até hoje, o homem produziu 8,3 mil milhões de toneladas de plástico, o equivalente ao peso de 822 mil torres Eiffel ou 1 bilião de elefantes.

Desses, cerca de 6,3 mil milhões de toneladas transformaram-se em lixo. Apenas 9% desse lixo foi reciclado, segundo um estudo de uma equipa de cientistas das universidades da Geórgia, da Califórnia, e da Sea Education Association, publicado este ano pela revista Science Advances.

A quantidade de pedaços de plástico a flutuar nos oceanos aumentou mais de cem vezes nos últimos 40 anos, segundo a associação espanhola Ambiente Europeu.

Se em 2000 a produção de plástico era de cerca de 190 toneladas por ano, nos últimos anos, o mundo tem produzido cerca de 300 milhões de toneladas de plástico anualmente, o equivalente ao peso de toda a humanidade. Oito milhões de toneladas são despejadas nos oceanos, matando, por ano, cerca de um milhão de aves e 100 mil mamíferos marinhos. Os números são da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Segundo um estudo da fundação da reconhecida velejadora britânica Ellen MacArthur, em parceria com a consultora McKinsey, a produção de plásticos aumentou 20 vezes desde 1964, atingindo 311 milhões de toneladas em 2014.

Nesse ano, a proporção entre as toneladas de plástico e as toneladas de peixe registadas nos oceanos era de um para cinco. Em 2025, será de um para três e em 2050 irá evoluir de um para um. Ou seja, em 2050, os oceanos poderão ter mais plástico do que peixe.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • elisa
    24 fev, 2018 alhos vedros 19:31
    gosto
  • Joana de Lemos
    03 jan, 2018 Lisboa 13:02
    Joana, subscrevo o seu sensato comentário. Também eu considero o artigo inspirador, e qualquer progresso nesta direcção é bem-vindo.
  • 03 jan, 2018 Lisboa 08:37
    O Júlio de Matos já trata este tipo de paranoia!!!!
  • Joana
    03 jan, 2018 Mangualde 00:38
    "Cascas de batatas e caroços de azeitonas" e todos os resíduos orgânicos da cozinha são compostáveis! E tantas críticas nestes comentários, se cada um de nós seguisse um bocadinho deste estilo de vida, o planeta poderia aguentar até às gerações futuras. Mas claro, tudo o que é diferente tem de ser moda ou extremismo ou sei lá.... Porque para o humano comum é difícil entender a diferença, então criticar é o caminho fácil A quem queira pesquisar, é um estilo de vida absolutamente inspirador, mesmo que não se consiga aplicar a 100%, já faz a diferença
  • João N
    02 jan, 2018 Santarém 23:57
    Parabéns pelo modo de vida sem desperdicio, gostaria de fazer o mesmo e acho que seria interessante juntar o modo de vida "zero waste" com um modo de vida auto-sustentavél, pois mesmo ao tentar produzir tudo o que necessitamos para viver "comida, roupa, habitação, mobilia e ferramentas" existem certas coisas que são complicadas de obter, quem sabe, com a mistura destes dois modos de vida nasça algo novo e melhorado poderia aparecer
  • Francisco António
    02 jan, 2018 Lisboa 20:08
    De vez em quando aparecem estas "alminhas" a querer ensinar os outros a viver segundo o seu "padrão" ! Agora é a moda do assédio, amanhã não se poderão comer sandes de coiratos ou torresmos e estas jovens ficam "puras" ! Não há pachorra...
  • Pedro Sá
    02 jan, 2018 Alverca 19:55
    Isto tudo com o plástico...quando vai ao WC não usa papel higiénico? Ou isto é uma obsessão só com o plástico ou se também é assim com o papel acaba por gastar bem mais recursos naturais de água. O que vale é que estes extremistas são sempre apanhados nas suas próprias contradições.
  • Eliseu
    02 jan, 2018 Idanha 16:40
    Nunca vou conseguir ser como a Ana, mas reciclo quase todo o plástico e papel que utilizo. As empresas tb podiam fazer um esforço para reduzir a quantidade de embalagens que um produto tem.
  • Adolfo Diamante
    02 jan, 2018 Aveiro 16:16
    O que é que ela faz às cascas das batatas, aos caroços das azeitonas e às espinhas de peixe ?
  • José
    02 jan, 2018 Lisboa 15:51
    O que a Ana utiliza no WC