O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Pais podem fazer visitas-surpresa às cantinas das escolas

14 dez, 2017 - 13:37

Governo admite aumentar preço das refeições escolares às empresas, mas aposta agora na fiscalização. O fornecedor Uniself, alvo de várias queixas, diz que as falhas resultam da “grande escala” da operação.
A+ / A-

Já saiu em Diário da República o despacho da secretária Adjunta e de Estado da Educação que cria equipas especiais para fiscalizar as cantinas escolares. A medida, que responde a várias denúncias de comida má confeccionada ou em doses insuficientes, vai permitir aos pais fazer visitas-surpresa às cantinas.

“O que vai acontecer de diferente é que vai haver equipas, já constituídas neste momento, com três pessoas no Norte, no Centro e em Lisboa, e com duas pessoas no Algarve e Alentejo, porque são regiões mais pequenas”, anuncia a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, na Manhã da Renascença.

Essas equipas, uma por cada delegação regional, vão dirigir-se às escolas “de forma aleatória, para fazerem fiscalizações surpresa”, acrescenta.

A medida já estava prevista, mas o “Plano Integrado de Controlo da Qualidade e Quantidade das Refeições Servidas nos Estabelecimentos de Educação e Ensinos Públicos” só foi publicado na quarta-feira em Diário da República. E inclui uma parceria com as associações de pais.

O plano “reforça a fiscalização – seja ao nível das equipas descentralizadas da direcção-geral, seja ao nível de uma equipa de coordenação da direcção-geral". "E estabelecemos aqui uma parceria, que acho que vai ser muito frutuosa, com a Confederação das Associações de Pais”, explica Alexandra Leitão. A parceria permite que um encarregado de educação apareça na escola de surpresa durante as refeições.

“A primeira linha de monitorização é ao nível da escola, com o director, os professores, os pais a entrar; a segunda linha é com as tais equipas das delegações regionais; e a terceira linha é ao nível da coordenação central, que é depois quem aplica as sanções, através da directora geral dos estabelecimentos escolares”, explica Alexandra Leitão.

A secretária de Estado admite que o valor a pagar por refeição possa ser revisto no futuro, em sede de Orçamento do Estado, mas tal não parece ser o problema da falta de qualidade das refeições servidas.

Actualmente, o preço contratualizado (pago às empresas concessionadas pelas escolas) não chega a um euro e meio. Também convidada da Manhã da Renascença, a Uniself, empresa que serve refeições nas escolas de todo o país e contra a qual já terão sido feitas cerca de 900 queixas, só no concelho de Cascais, explica que a questão reside na falta de pessoal.

“Gostaríamos de ter um valor mais alto para trabalhar, mas são os preços determinados pelo mercado e nós estamos com responsabilidade no mercado. Temos um grande orgulho na nossa matéria-prima, na nossa empresa e nos profissionais técnicos habilitados a trabalhar”, começa por dizer o director comercial, João Lobo.

“Temos cerca de cinco mil pessoas diariamente a fazer este trabalho. Não tem a ver com o factor económico, porque quando fazemos as propostas sabemos o que vamos encontrar. Decorre de ser uma operação a grande escala e de ter muita gente a trabalhar”, destaca.

As refeições escolares e os problemas que têm vindo a público estiveram em destaque na Manhã da Renascença nesta quinta-feira. Há quem defenda que deveriam ser as escolas a preparar as próprias refeições, mas Alexandra Leitão explica que essa decisão cabe aos directores dos estabelecimentos de ensino.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jordan
    14 dez, 2017 Gaia 16:56
    Mais um motivo criado nas Escolas Publicas , para justificar a falta de fiscalização nas Escolas ! ... compete aos elementos dos Agrupamentos Escolares , todo e qualquer acto de iniciativa de fiscalidade , previsto na Lei , assim como a todos os funcionários permanentes dentro das Escolas , não é de todo que existe dentro das Escolas um novo paradigma ? ! As Escolas passaram dos tempos da era da disciplina , para se tornarem espaços abertos e coniventes com a vida exterior , todo serve de contexto para que a gerência do ensino seja uma missão de fora para dentro e não de dentro para fora ! ... ou seja as Escolas foram perdendo a sua autonomia por sua livre e espontânea vontade .
  • Leocárdia
    14 dez, 2017 Seixal 16:51
    Tou mesmo a ver agora os pais todos os dias batidos nas escolas... Só dão é porcaria aos filhos para comer em casa e depois na escola querem faisão por € 1,50
  • Francisco
    14 dez, 2017 lisboa 15:37
    Se o Governo admite pagar mais talvez isto nao seja mais do que uma ação orquestrada pela Uniself para ganhar mais pelo mesmo
  • Frankie
    14 dez, 2017 Viseu 15:35
    Já agora ponham também os papás a fazer visitas ás salas de aula para comprovarem as faltas de educação, a arrogância e o mau comportamento dos seus meninos. Pena que para essas coisas, os papás demitem-se das suas funções
  • Irene Fernandes
    14 dez, 2017 Cascais 15:28
    Enquanto houver Empresas a pensar no lucro e não nas crianças isto não vai para a frente, continua a ser servida nos Infantários deste concelho a crianças de apenas três anos, em que se encontram em fase em crescimento alimentação de má qualidade e pouca quantidade, o meu neto quando o vou buscar vem esfomeado e pede-me comida, mas haverá crianças que não terão avós que os alimentem, por exemplo as crianças institucionalizadas.
  • João Silva
    14 dez, 2017 Lisboa 14:13
    Então se são os Pais quem vai monitorar e fazer vistas de surpresa, para que servem as Inspeções do ministério? Ou mesmo o próprio?
  • Ricardão Ricardo
    14 dez, 2017 Sintra, Portugal 14:12
    Actualmente, o preço contratualizado (pago às empresas concessionadas pelas escolas) não chega a um euro e meio. Também convidada da Manhã da Renascença, a Uniself, empresa que serve refeições, sobretudo no concelho de Cascais, e contra a qual já terão sido feitas cerca de 900 queixas, explica que a questão reside na falta de pessoal. ESTAS SÃO ALGUMAS VERDADES !!! Como se pode fornecer comida com ingredientes de qualidade a 1,5€ (?!?!?!) A qualidade também faz falta na quantidade relativamente ao pessoal mas para isso é necessário pagar !! Os ordenados, por exemplo, de um/a cozinheiro estão aquém do razoável ...Em todos os refeitórios (restaurantes de empresas) onde trabalhei existia uma fiscalização surpresa e o encarregado teria de responder pelas anomalias !! Existe uma profissão pouco utilizada que são a Dietistas que rotativamente fiscalizam reportando à Direcção e do Estabelecimento e Empresa fornecedora ! A fiscalização por parte dos pais, inopinada, será como pedir uma opinião sobre medicamentos a um grupo de interessados !! O ESTADO ESTÁ ASSIM A CRIAR UM ESTADO COLAPSO E PROVIDENCIAR MUITA GENTE PARA O DESEMPREGO !!
  • KOMITÉ DO PCP JÁ
    14 dez, 2017 Lx 13:51
    Melhor seria um komité como no tempo da União Soviética comandado pelo líder do PCP e com a tropa de choque a CGTP e a FENPROF e com os chamados pioneiros vestido de vermelho com o lencinho e a cantar o hino da URSS já defunda mas fica sempre bem a esses empedernidos reviver os bons velhos tempos... Refeições pagas pelo Estado a 1, 5 euros deve ser verdade a qualidade...