O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Amorim, Soares dos Santos e Belmiro na lista dos mais ricos do mundo

20 mar, 2017 - 21:21

A revista Forbes divulgou a famosa lista dos mais ricos e poderosos. Bill Gates,Warren Buffett e Jeff Bezos encabeçam o "ranking".
A+ / A-

A revista Forbes divulgou esta segunda-feira a lista das pessoas mais ricas do mundo, onde foram incluídos três portugueses. Américo Amorim continua a ser o homem mais rico em Portugal.

O dono da Cortiçeira Amorim está no 385º lugar, com 4,4 mil milhões de euros, segundo a Forbes. No segundo lugar está Alexandre Soares dos Santos, avaliado em 2,5 mil milhões de euros. Belmiro de Azevedo, avaliado em 1,4 mil milhões fica em terceiro.

Os três homens mais ricos do mundo são Bill Gates, fundador da Microsoft, que lidera com 86 mil milhões, seguido de Warren Buffett e Jeff Bezos, dono da Amazon.

A lista da Forbes é classificada também por género, idade e categoria. A francesa Liliane Bettencourt, proprietária da L’Oréal, é considerada a mulher com mais rica do mundo com os seus 37 mil milhões.

Alexandra Andresen, uma empresária norueguesa com apenas 19 anos de idade, é a mulher mais nova a entrar na lista – cerca de mil milhões de euros.

Os EUA lideram na tecnologia, embora a China esteja também nos lugares de topo, e nos media com Michael Bloomberg, dono da agência noticiosa, em 10º.

No que toca aos combustíveis fósseis – petróleo e gás natural – a liderança chega da Ásia. A representar a Ásia, o magnata indiano Mukesh Ambani fica em primeiro lugar, seguido pelo empresário russo Leonid Mikhelson.

O fundador da Zara, Amâncio Ortega, está no quarto lugar da lista da revista norte-americana. Já Phil Knight, presidente da Nike, ocupa o lugar 28, seguido da italiana Maria Franca Fissolo de 99 anos, administradora da Nutella. Em 35º lugar, está Kjeld Kirk Kristiansen da Lego.

A lista da Forbes deste ano revela a ascensão da Ásia no mercado dos casinos e das apostas e mostra ainda que EUA, Brasil e Arábia Saudita lideram nos investimentos financeiros.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Orapois!
    21 mar, 2017 antieuropa 10:26
    Vergonha eles?! Esta é mesmo para rir. Quem deve ter vergonha são aqueles que comprem e não podem comprar, mas ainda assim não falta parvos para dizer que as pessoas estão a consumir demais. Alguns ficam mesmo contentes é quando vêem os outros na extrema pobreza. E só agora é que a comunicação social chega a esta conclusão? Há tempos atrás disseram que os portugueses estavam com mais dinheiro e que consumiam mais. Então isto não é uma pura mentira?! Deveriam era ter dito logo que estes ricalhaços estão cada vez mais ricos e os consumidores cada vez com menos, mas não, o pobre já não tem, por tudo aquilo que se sabe, salários precários, desemprego, congelamento de salários, uma moeda única que só nos tem servido para que o nível de vida tenha aumentado em muitas coisas para o dobro ou triplo, basta comparar 1k de batatas, o café, ovos e por aí adiante, quanto custava no tempo do escudo e agora quanto custa, quando os salários de hoje ainda estão iguais aos salários do escudo. Depois ainda querem pagar salários a 500 euros ao trabalhador, para que este passem fome e estes hipopótamos cada vez mais gordos.
  • Alberto Martins
    21 mar, 2017 Lisboa 10:05
    O caso do amorim das cortiças é daqueles em que se pode dizer...o crime compensa.
  • josé
    21 mar, 2017 Aveiro 09:11
    É uma vergonha dois nomes ligados a empresas que alimentam o seu país surgirem na lista dos mais ricos do mundo. Quando é que esta gente começa a ter "vergonha na cara"?