O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Iordanov nem hesita. "Se receber um convite, volto a trabalhar para o Sporting"

27 mai, 2015

Antigo capitão do Sporting espera que o telefone toque e que do outro lado da linha esteja o clube onde se sente em casa. Iordanov continua a lidar diariamente com a doença crónica que o atingiu em 1997, mas o quadro clínico do ídolo dos adeptos leoninos está estabilizado.
Iordanov nem hesita. "Se receber um convite, volto a trabalhar para o Sporting"
"O Sporting é a minha vida". A frase vem de um ex-jogador, ex-capitão leonino, ícone dos anos 90 do emblema de Alvalade, ídolo dos sócios e adeptos. Ivaylo Iordanov não esquece o que o futebol lhe deu, apesar de algumas das mais difíceis contrariedades que a vida para ele reservou. Mas foi com o Sporting como um dos apoios primordiais que conseguiu alcançar o objectivo que mais pretendia: encerrar a carreira e, mais do que isso, fazê-lo ao serviço do clube do coração.

Por isso, 11 anos depois de se ter desvinculado dos quadros do emblema verde e branco, quando era adjunto na equipa B, Iordanov assegura que irá fazer as malas para regressar em definitivo a Portugal se o telefone tocar e se, do outro lado, surgir um convite para regressar ao Sporting.

"Cresci como homem e como jogador no Sporting. Não é uma ideia fixa voltar ao Sporting. Claro que, se receber um convite, vou voltar a trabalhar para o Sporting, com muito prazer", afiança, em entrevista a Bola Branca, demonstrando todo o amor que sente pelo universo sportinguista. "Gosto do Sporting e gosto dos adeptos que, para mim, são os melhores do mundo. Sinto o Sporting como a minha casa", atira.

A doença que não apaga o optimismo
Como já se escreveu, a vida não foi particularmente dócil para com Ivaylo Iordanov. Em 1995, sofreu um acidente de viação que o atirou para fora dos relvados durante largos meses. Seguiu-se a recuperação total, mas penosa, até ao ano de 1997.

Durante um treino da selecção da Bulgária, o então jogador do Sporting, na altura com 28 anos, começou a sentir dificuldades em movimentar a perna. Uma bateria de exames resultou num diagnóstico inesperado e difícil de digerir: esclerose múltipla, uma doença degenerativa do sistema nervoso central.

Hoje, aos 47 anos, exceptuando outros episódios de problemas de saúde, o quadro clínico de Iordanov está estabilizado. O antigo capitão do Sporting divide a vida entre a Bulgária e Lisboa, até porque é em Portugal que continua a ser seguido pelos médicos.

"Para já, está estabilizado. Sinto-me bem, com as pessoas que gostam de mim e que me rodeiam para me dar apoio. A primeira coisa é a saúde e depois o resto. Estou a ser tratado em Portugal e agradeço imenso aos meus médicos. Até agora, estou bem e estou bem de saúde", assegura. Sempre com um sentido positivo sobre a vida.

Uma "lenda" chamada Iordanov
Ivaylo Stoimenov Iordanov realizou mais de 200 jogos com a camisola do Sporting, tendo apontado 71 golos. Conquistou a Taça de Portugal, em 1995, "bisando" nessa final, frente ao Marítimo (2-0), arrecadou a Supertaça Cândido de Oliveira, igualmente em 1995 e foi campeão nacional em 2000. 

Em 2001, terminou contrato com o Sporting e pendurou as botas, passando a treinador-adjunto da equipa "B", cargo que ocuparia até 2004. Em 2009, após um conturbado processo na barra dos tribunais, frente ao clube do coração, viu ser-lhe confirmado o direito de um jogo em sua homenagem.