O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|

Federação veta alargamento da Liga na próxima temporada

30 abr, 2013

Organismo que tutela o futebol nacional quer ainda que seja clarificada a forma de reintegração do Boavista. Saiba tudo sobre a decisão.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) vetou o alargamento do campeonato para 18 clubes na próxima temporada, como havia sido deliberado em Assembleia Geral da Liga, e questiona a pronta integração do Boavista, abrindo, contudo, a possibilidade de o alargamento se concretizar em 2014/15.

Em comunicado, a FPF explica que não concorda com a alteração das regras a meio do campeonato. "A direcção da Federação Portuguesa de Futebol sempre entendeu, e agora reafirma-o, que qualquer alteração à regulação dos quadros competitivos deve forçosamente ocorrer no início de uma época desportiva e não no seu decurso", pode ler-se.

O organismo que tutela o futebol nacional explica que a decisão tomada tem por base dois argumentos. Por um lado, as propostas da Liga "não respeitam os princípios da estabilidade e integridade das competições". "Por outro lado, não asseguram cabalmente a integração do Boavista FC Futebol, SAD, na I Liga."

Neste sentido, a FPF solicita à Liga que clarifique a forma como pretende reintegrar o Boavista na Primeira Liga, cumprindo a deliberação do Conselho de Justiça, e aprove "até 30 de Junho de 2013 o regime de subidas e descidas no final da época 2013/14, que permita que na época desportiva seguinte (2014/2015) esteja concretizada a deliberação do Conselho de Justiça".

Depreende-se desta recomendação da FPF que a integração do Boavista no principal escalão do futebol nacional está prevista para a temporada 2014/15. Os axadrezados, recorde-se, competem na II Divisão, zona norte. O clube terminou a temporada no décimo lugar.

A decisão de chumbar o alargamento na próxima temporada colheu um voto contra na reunião extraordinária da direcção da Federação. A FPF conclui referindo que esta deliberação garante "dois pressupostos essenciais: a estabilidade das competições e o conhecimento atempado das regras com que estas se iniciam e terminam".