O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ancara proíbe filmes e exposições LGBT

19 nov, 2017


Autoridades invocam que a "paz e a segurança" são as razões para a decisão.

A capital turca, Ankara, proibiu a exibição pública de filmes e exposições relacionados com temas lésbicos, gays, bissexuais e transgéneros (LGBT), disse o gabinete do governador, no domingo, avança a agência Reuters.

A mudança provavelmente aprofundará a preocupação entre os ativistas dos direitos humanos e os aliados ocidentais da Turquia sobre o seu registro nas liberdades civis sob o partido AKP do presidente Tayyip Erdogan.

"A partir de 18 de novembro de 2017 eventos ligados a temas LGBT no cinema, no teatro, em painéis, em entrevistas e em exposições são proibidos para assim proporcionar paz e segurança", o escritório do governador disse em um comunicado.

As autoridades em Ankara já haviam banido um festival de cinema gay alemão na quarta-feira, no dia anterior ao início, citando riscos de segurança pública e terrorismo.

Houve dois desfiles de orgulho gay que foram banidos em Istambul nos últimos dois anos. Ao contrário de muitos países muçulmanos, a homossexualidade não é um crime na Turquia, mas há hostilidade generalizada.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro
    19 nov, 2017 Lx 15:48
    Muito bem.
  • Mia
    19 nov, 2017 Porto 15:16
    Não fez mais que ser coerente com a cultura e religiao do seu Povo.Aqui os ditos direitos das minorias fraturantes não sao nem nunca serão admitidas.Após o desinteresse dos EUA pela implantação a nível mundial das democracias e valores da ONU e optar pelas negociações bilaterais o mundo mudou e irao ser respeitadas as diferentes cultura sem imposições extra culturais das mniorias.A economia é mais importante que a implantação de sistemas políticos com guerras q bproduzem grande desgaste financeiros e mortes de militares EUA.Exemplo,ucrania,iraque,siria,libia afganistao etc.Acabaram as neo cruzadas da ONU/Ocidente temos novas realidades fortes e para durar.
  • Dav
    19 nov, 2017 Lisboa 13:24
    Depois o governo turco não quer que os seus nacionais sejam discriminados nos outros países. .... Turquia a tornar se um país discriminatório