O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Autodeterminação de género - 07/10/2017
Em Nome da Lei - Autodeterminação de género - 07/10/2017
Em Nome da Lei

​50 pessoas por ano pedem para mudar de sexo

07 out, 2017


O programa desta semana debateu a intenção do Governo, do Bloco de Esquerda e do PAN que querem que fique reconhecido em lei o direito à autodeterminação de género.

Em Portugal, há 50 pessoas por ano a pedir para mudar de sexo. O número é adiantado pelo urologista Nuno Monteiro Pereira, presidente da competência em sexologia clínica da Ordem dos Médicos.

Em declarações ao programa da Renascença “Em Nome da Lei”, Nuno Monteiro Pereira acrescenta que muitos estão em fila de espera para fazer a mudança, uma vez que nem o Serviço Nacional de Saúde nem a medicina privada conseguem dar resposta.

Esta semana, neste programa debateu-se a intenção do Governo, do Bloco de Esquerda e do PAN que querem que fique reconhecido em lei o direito à autodeterminação de género.

Foram convidados do “Em Nome da Lei” o deputado do Bloco de Esquerda, José Soeiro, uma activista dos direitos dos transexuais, Daniela Filipe Bento, o sexólogo e especialista em psicologia clinica Abel Matos Santos e o médico urologista Nuno Monteiro Pereira, presidente da competência em sexologia clínica da Ordem dos Médicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Raça morta
    08 out, 2017 Lisboa 12:14
    Talvez o melhor seja mesmo acabar com a raça lusa. Deixam morrer os pacientes porque não têm tempo e médicos para eles, para que passem o tempo a mudar o seco dessa gente pois são casos urgentes, sem duvida , pois entre tratar de um problema oncológico é uma mudança de sexo este último está na cara que é mais urgente. Matem-nos já, acho que é melhor...
  • manuel nabais
    07 out, 2017 lisboa 23:43
    Anda a minha mãe há meses, à espera de uma CONSULTA DE (exatamente) UROLOGIA, no Hosp. Sta Maria, em Lisboa ! Desafio esse Sr Dr. urologista Nuno Monteiro Pereira, a deixar os orgulhos, os galões e essas reuniões e a sentar-se num consultório, a atender pacientes, para que estes não sofram tanto tempo, à espera de uma Consulta ! Isso é que era de valor !!! Preocupem-se com o essencial e deixem de perder tempo em tanta reuniãozinha de assuntos menos importantes !
  • Matias
    07 out, 2017 Lisboa 14:59
    Parabéns por abordarem este tema numa rádio que classicamente segue uma linha conservadora. Obrigado, e espero que muitas pessoas se tenham sentido mais informadas e esclarecidas com o debate.
  • 07 out, 2017 12:54
    E os pacientes com problemas graves ficam à espera até ser tarde demais
  • luis filipe
    07 out, 2017 lisboa 12:35
    Anda o Serviço Nac de Saúde a gastar meios com essa gente, enquanto há tanta gente a sofrer em longas filas de espera para consultas e cirurgias !!! Ninguém vê isto !?!? --xx—
  • No país da diversão
    07 out, 2017 Lisboa 12:24
    No país da diversão vale quase tudo para desviar a atenção do essencial e manipular as pessoas. A RR podia-nos poupar a isto e preocupar-se mais com os mais fracos. Desde quando o sexo com que se nasce é um verdadeiro problema! A cabeça de certas pessoas é que é um problema. Esta diversão toda e falta de bom censo não é própria de um país que se diz civilizado. Mas os grandes culpados são o povo que compactua com isto e ainda gosta de ser manipulado!