Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

São as redes, essas marotas...

29 jun, 2017 • Opinião de Luís António Santos


As redes sociais somos nós. Nem mais, nem menos. E temos que nos habituar a isso.

Se fizermos uma avaliação muito simples e superficial do que se vai dizendo nas redes sociais por estes dias percebemos muito depressa que ‘aquela coisa do Salvador’ supera, de longe, as notas positivas sobre o concerto de recolha de fundos para auxiliar as vítimas do incêndio.

Este facto produziu, ato contínuo, um novo discurso indignado assente em variações sobre os temas da insalubridade das redes, a sua propensão para exagerar ‘o que há de pior’ ou os seus perigos (ah, os seus perigos - sempre presentes e sempre tão merecedores de atenção por parte dos média).

Esta leitura - que se propaga, também ela, à velocidade de todas as outras indignações - assenta em dois grande equívocos que importa assinalar: a ideia de que a tecnologia nos muda e a coadjuvante ideia de que, nas redes, nos comportaríamos de uma certa forma.

Porque somos invadidos por um discurso excessivamente benigno sobre a tecnologia (é ele que alimenta o desenvolvimento de produtos ‘que vão mudar a nossa vida para sempre’ e que celebra de forma efusiva eventos quasi-religiosos como as Web Summits e seus sucedâneos) somos levados a acreditar que precisamos constantemente de mais e melhor, que precisamos de ‘soluções’ para os ‘problemas’ que temos e que uma existência em estado fluído de ‘mudança’ (às vezes chama-se-lhe flexibilidade, adaptação, reforma, reconversão, ou coisas do mesmo tipo) é o ideal. As redes às quais acedemos com os tais dispositivos tecnológicos são enunciadas como complemento natural de uma nova forma de estar, de uma nova vida; devem, por isso, ser espaços de networking, de career advancement, de strategic self-promotion, de creative enunciation, e naturalmente também e sempre de image upgrade ou de skills promotion (conceitos deliberadamente escritos noutra língua porque é assim que eles são, tantas vezes, pacoviamente apresentados em eventos em Língua Portuguesa).

Devidamente equipados com lentes deste tipo, vemos as tecnologias e as redes que usamos como ferramentas para nos levar sempre desta para melhor, deixando para trás o complicado, o feio, o deselegante, o ineficiente, e até mesmo essa coisa da comunicação-que-faz-comunidade-seja-sobre-o-que-for, o ordinário mexerico.

Em combinação, estes dois equívocos deixam-nos meio atarantados quando acedemos ao fluxo de uma das nossas redes sociais favoritas, perdidos algures entre a incredulidade e a pulsão para embarcar numa das muitas oportunidades de indignação colectiva que se nos apresentam.

Mas então, o que é feito das novas mulheres e dos novos homens desse futuro que nos é prometido a cada novo dispositivo? Podemos mesmo ser assim? Frívolos? Efervescentes? Coléricos? Desinformados? Mal informados? Desinteressados? Displicentes? Incoerentes? Desorganizados?

Podemos, sim.

O que está em causa não são as oportunidades de comentar ou partilhar isto ou aquilo nem mesmo as ações ou omissões que lhes dão substância; pelo contrário, elas serão (com todos os muitos riscos envolvidos) sinais de ativação mínima de cidadania. O que está em causa é o olhar em tons de rosa clarinho que - à força de tanto o vermos propagandeado por políticos e especialistas - lançamos sobre a nossa existência colectiva online.

As redes somos nós. Nem mais, nem menos. E temos que nos habituar a isso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Serra
    01 jul, 2017 09:33
    Excelente análise! A tecnologia não se pode diabolizar...O homem e o sábado, para usar linguagem da Bíblia... A tecnologia não nos faz necessariamente mais felizes... pode até fazer-nos mais parvos e ridículos...as redes sociais podem ampliar, ampliam!!! o pior que temos em nós... Não sei como consegui sobreviver, quando andava na escola, sem computador, internet e telemóveis, devia ser muito infeliz...Hoje tenho alunos com internet, computador, telemóveis, e são completamente burros, para usar uma expressão popular...Que solução?... rendermo-nos sem crítica, sem reflexão a isto?! Claro que não. Ir na onda...como vamos todos? Dar telemóveis a bebés, de prenda, quando eles nascerem... Por aqui me fico!... sem respostas e com muitas dúvidas e alguma raiva...impotente!
  • MASQUEGRACINHA
    29 jun, 2017 TERRADOMEIO 18:18
    Texto inspirado, e excelente análise, q.b. animada, daquilo que sempre fomos, de facto - e não, como gostamos de pensar, daquilo para que "evoluímos". Só a ferramenta mudou, nós continuamos exactamente os mesmos de sempre.