O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A independência da Catalunha

13 jun, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O conflito entre Madrid e o governo catalão continua. Na Escócia a independência recua.

O governo autonómico da Catalunha marcou para 1 de Outubro um referendo sobre se a região deverá tornar-se, ou não, um Estado independente. O governo central espanhol, assim como o Tribunal Constitucional, consideram o referendo ilegal, como consideraram ilegal uma “consulta popular” realizada na Catalunha em Novembro de 2014. Nessa consulta o “sim” à independência venceu, mas nela participaram pouco mais de um terço dos eleitores potenciais. O antigo presidente do governo catalão, Artur Mas, foi condenado por causa dessa iniciativa.

A eventual independência da Catalunha tornou-se um tema dominante desde que, em 2006, o Tribunal Constitucional espanhol anulou o Estatuto da Catalunha, que dava várias competências à autonomia a título de “nação”. Ora a Catalunha é de facto uma nação, como outras autonomias espanholas – País Basco, Galiza, etc. A Espanha é um estado plurinacional, como são o Reino Unido ou a República Federal Alemã.

No Reino Unido foi permitido à Escócia realizar em Setembro de 2014 um referendo sobre a sua eventual independência. O resultado foi “não” à independência, por uma margem de 10 pontos percentuais. O “brexit”, contra o qual votou a maioria dos escoceses, levou depois a primeira-ministra da Escócia a lançar a hipótese de um novo referendo. Mas as fortes perdas eleitorais do Partido Nacional Escocês nas eleições britânicas da semana passada, e também a tendência para o “não” à independência da Escócia nas sondagens, adiaram esse novo referendo para um futuro imprevisível.

Na Catalunha as coisas estão mais complicadas. O primeiro-ministro Rajoy sempre se mostrou intransigente quanto a dar aos catalães o direito de escolher se querem ou não ter um Estado independente. E agora, líder de um governo minoritário, Rajoy não avançará certamente para uma revisão constitucional que fizesse do Estado espanhol um Estado Federal.

É pena, porque, se a maioria dos catalães quer um referendo sobre a eventual independência, também é maioritária a posição contrária à independência. Decerto que no parlamento autonómico da Catalunha os partidos independentistas têm a maioria, mas as últimas sondagens revelam que os catalães pró-independência, que chegaram a ultrapassar os 48% em 2013, agora são apenas 37%.

A hipótese de uma declaração unilateral de independência desagrada a um ainda maior número de catalães. Alguns referem o exemplo da independência unilateral do Kosovo – o novo país ficou fora de todos os organismos internacionais. Mas o braço de ferro entre Barcelona e Madrid vai continuar, sem benefício para qualquer das partes.

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    13 jun, 2017 Santarém 22:56
    Comparar o caso da Catalunha ao Kosovo parte integrante da Sérvia roubada a esta pelas forças internacionais para agradarem a uma parte dos habitantes albaneses que habitam a região creio que é um disparate autêntico, estar contra a independência total da Catalunha como estarão alguns países que cometeram tamanha asneira contra a Sérvia só demonstra estarem de má fé em tudo isto e tomarem posições não justas mas para agradarem ao cliente consoante a cara do mesmo, ainda quanto aos tais números de eleitores e votos aqui apontados por FSC, será que os mesmos se referem a catalães ou a habitantes da Catalunha? É que se os governantes catalães permitirem o voto sobretudo a castelhanos e seus satélites e serão muitos a habitar nessa região desenvolvida possivelmente o resultado poderá ser o não desejado.
  • V.T.
    13 jun, 2017 Olivença 17:24
    Peço que tenham muita atenção a este assunto, não o tratem como mais um assunto que é dos outros e nós portugueses não temos nada a ver com ele. E porquê? Porque podíamos ser nós (Portugal) a estar nesta situação, pois houve uma altura que Espanha, teve de optar entre (tentar) ficar com Portugal e ficar com a Catalunha. Repito, esta situação podia ser a nossa situação, sendo assim, como reagiriam?