O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Baixa na qualidade dos empregos

12 jun, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Há mais empregos, mas mais precários e mais mal pagos.

Como a Renascença noticiou, um estudo do Observatório sobre Crises e Alternativas, criado pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, mostra que o emprego cresceu em Portugal, mas a sua qualidade não tem acompanhado a quantidade, pelo contrário.

Não é propriamente uma novidade: como aqui referi há meses, um artigo do Prof. João Duque no “Expresso” apontava nesse sentido. O que é confirmado pelo estudo do Observatório de Coimbra, coordenado por Carvalho da Silva, e que consultou mais de três milhões de contratos de trabalho celebrados entre Novembro de 2013 e Maio do corrente ano.

A baixa na qualidade dos empregos manifesta-se no aumento da precariedade, pois apenas um terço daqueles contratos eram permanentes, e na queda dos salários pagos.

A média da retribuição ilíquida dos novos contratos vigentes em Maio passado era de apenas 646 euros. Nos contratos permanentes vigentes de Setembro de 2014 a Janeiro de 2017 regista-se uma considerável queda salarial – em média, passaram de 1024 euros para 809, menos 20%.

Esta chocante desvalorização salarial é a outra face da moeda da positiva descida do desemprego. E terá muito a ver com o “boom” turístico, que criou postos de trabalho em restaurantes, hotéis, serviços diversos, etc.

Os progressos realizados na qualificação dos portugueses ainda têm fraca expressão na qualidade do emprego. Mas é indispensável prosseguir e, se possível, reforçar essa qualificação no plano educativo.

Sem esquecer a necessidade de reciclar muitos adultos, cuja preparação académica é curta, o que não os ajuda a movimentarem-se num mundo cada vez mais dominado pela informática.

Por outro lado, parece que muitos gestores empresariais não estão grandemente interessados em recrutar pessoal mais qualificado. Este factor não é abordado no estudo acima referido (pelo menos naquilo que a comunicação social sobre ele nos informou).

Mas trata-se de uma atitude que não só prejudica as empresas como desencoraja os alunos que conseguem obter elevados graus académicos.

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Justus
    12 jun, 2017 Espinho 20:38
    Tudo bem, só que Sarsfield Cabral esqueceu-se, propositadamente, de referir que esta foi a grande e talvez única conquista de Passos Coelho e do seu governo: tornar os portugueses cada vez mais pobres, com baixos salários e empregos precários. A uns impôs-lhes a emigração, porque em Portugal não tinham lugar; a outros, o desemprego e os salários de miséria. Claro que S. Cabral vem agora, tarde e envergonhado, reconhecer os erros do passado que tanto enalteceu. Mais vale tarde que nunca!
  • Rui
    12 jun, 2017 Porto 15:48
    A crise só afectou os pobres, pois o número de ricos aumentou em Portugal...À boleia da crise muitos foram aqueles que se governaram...
  • Carlos
    12 jun, 2017 M. Grande 14:44
    Concordo! Portugal é o Bangladesh da Europa, é triste mas é a realidade. Por isso, emigrar é a única solução para fugir à escravatura de Portugal, que dentro de 10 anos, será um deserto.
  • AP
    12 jun, 2017 Portugal 10:41
    A desculpa da crise foi só para quem ganha menos. Quem está no topo passou-lhe ao lado. É preciso manter os salários mínimos para que seja possível aumentar os salários máximos.