O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A viagem de Trump

19 mai, 2017 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O Presidente americano sai dos EUA pela primeira vez. Mas não se vêem que benefícios poderá tirar da viagem.

O Presidente Trump inicia hoje a sua primeira visita ao estrangeiro. Passará uma semana fora dos EUA. Começa na Arábia Saudita, depois Israel. Em Roma encontra-se com o Papa Francisco e segue para a reunião da NATO em Bruxelas. Por fim, participa na Sicília numa reunião do G7.

Trump viajará algo enfraquecido depois da nomeação de um procurador especial para chefiar a investigação sobre as suspeitas de contactos entre russos e colaboradores e ex-colaboradores do Presidente. O procurador é um respeitado antigo Director do FBI. Como, no limite, este processo poderá levar a um processo de destituição de Trump, as bolsas caíram nos EUA e em todo o mundo.

Trump falará com os dirigentes sauditas, que parecem em luta sobre quem sucederá ao actual rei, que tem 81 anos. Trump elogiará o islamismo pacífico, embora se saiba que grupos terroristas recebem apoio financeiro de sauditas radicais.

Em Israel, provavelmente Trump será confrontado com a insatisfação de Telavive com a transmissão que ele fez ao ministro dos Negócios Estrangeiros russo de informação confidencial comunicada pelos serviços secretos israelitas aos seus congéneres americanos. Mas, a acontecer, a reacção de Israel não será certamente tornada pública.

A visita a Israel incluirá também um encontro com M. Abbas, líder da Autoridade Palestiniana. Apesar de o Hamas, que domina o pequeno território da Faixa de Gaza, ter recentemente atenuado a sua violenta hostilidade a Israel, não se vê que seja possível qualquer restauração significativa do “processo de paz”. O primeiro-ministro israelita, B. Netanyahu, não quer a solução dos dois Estados, Israel e Palestina. Por isso continua a expandir colonatos judaicos em território palestiniano.

Do Médio Oriente Trump irá para Roma, encontrar-se com o Papa Francisco. Dificilmente se poderão juntar duas personalidades tão radicalmente diferentes. Mas há curiosidade quanto ao que o Papa irá dizer ao controverso Presidente americano. O Papa Francisco já afirmou que uma pessoa que apenas pensa em erguer muros não é cristã. Trump não reagiu bem.

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JP
    20 mai, 2017 Lisboa 12:51
    SEM PESSOAS NÃO HÁ IDEIAS.
  • Manuel
    20 mai, 2017 Queluz 10:56
    Karl Marx ,combatia ideias, não combatia pessoas, logo, défice de ortodoxia! Já chateia!
  • JP
    20 mai, 2017 Lisboa 01:25
    O sr Cabral a fazer previsões parece a Albuquerque não acerta uma. Então não é que a bolsa está outra vez em alta. Depois esta extrema direita em Portugal é de riso.
  • Marco Visan
    19 mai, 2017 Lisboa 19:47
    Crónica inteligente e esclarecida? A Maria ou está a ser irónica ou está a gozar com os leitores da mesma crónica.
  • adelinofaria
    19 mai, 2017 Porto 18:48
    "... não se vêem que benefícios...?"- um intelectual de tanto gabarito escreve assim ?
  • maria
    19 mai, 2017 LISBOA 15:01
    como de costume mais uma cronica inteligente e esclarecida, obrigada Sr FSC
  • Alexandre
    19 mai, 2017 Lisboa 08:50
    Tudo muito correcto e limpo, na sua forma de abordar a nova presidência americana. O problema é quando escreve o seguinte: «Como, no limite, este processo poderá levar a um processo de destituição de Trump, as bolsas caíram nos EUA e em todo o mundo.» Isto, como sabe, é mentira. Em todo o Mundo? Gostaria que o provasse, se fosse capaz disso. Como sei que não é, o seu artigo é mais uma operação desesperada, em tentar se passar de bom diante dos leitores que sabem aquilo que o senhor representa. Infelizmente, toda a gente esclarecida sabe aquilo que o senhor representa: o capitalismo e o neo-liberalismo, como ficou patente, através do seu apoio explícito ao governo de Cavaco Silva.