O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Marcelo “voluntário” serve refeições e pede acção urgente para combater casos de sem-abrigo

08 mai, 2017


Presidente da República acompanhou as equipas dos serviços de assistência que distribuem roupa e comida aos mais carenciados no Porto.

Para chamar a atenção para a importância do voluntariado, Marcelo Rebelo de Sousa andou a distribuir refeições e a dar apoio aos sem-abrigo no Porto. O Presidente da República defende uma intervenção urgente de Governo e autarquias, em colaboração com instituições privadas.

Marcelo acompanhou as equipas dos serviços de assistência que distribuem roupa e comida aos mais carenciados.

Antes, já tinha acompanhado as equipas de rua dos Médicos do Mundo, que dão consultas gratuitas, sobretudo na área das doenças mentais.

Em declarações aos jornalistas, o Presidente da República traçou um cenário dos problemas que viu e como combatê-los. “Há aqui problemas de saúde mental, há problemas de abrigo, de casa, há problemas de refeição em condições diferentes da refeição na rua e depois há, em alguns casos, problemas de empregabilidade. Estas várias linhas de actuação têm sido desenvolvidas por muitas instituições, mas o Governo quer enquadrar. No fundo passam pelas câmaras, juntas de freguesia, misericórdias e depois de muitas instituições que estão a ser coordenadas”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente foi acompanhado pela secretária de Estado da Segurança Social. Cláudia Joaquim diz que todos os ministérios “devem estar envolvidos” num combate a este problema.

“Através de uma resolução do conselho de ministros, será aprovada a estratégia. Estamos numa fase de consulta no Governo, entre os ministérios, mas com um reforço da intervenção e da participação das entidades privadas, como é o caso dos Médicos do Mundo e de muitas outras”, afirmou a secretária de Estado da Segurança Social durante a visita às ruas do Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ester Marinho Oliveira
    10 mai, 2017 Porto 08:30
    A minha gratidão, a Consciência elevada do Senhor Presidente, perante o que é ser humano, dá esperança aos portugueses, de que há políticos que fazem a diferenças. Bem haja Senhor Presidente.