O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-
​NEM ATEU, NEM FARISEU

Desumano é equivaler o cão ao homem

28 abr, 2017 • Opinião de Henrique Raposo


Ao equivaler o cão ao homem, o animalismo dessacraliza a vida humana, dessacraliza os direitos humanos, atira a vida humana para o estado da natureza. Os exemplos desta desumanidade já são às dezenas.

“Os cães não são coisas”, “quem não gosta de animais não é boa pessoa”, “eles (os cães) vêem sempre quem é boa ou má pessoa”, “gosto tanto dos meus cães como dos meus filhos”, “ter um cão ensinou-me a ser pai/mãe”, “os animais têm a mesma dignidade dos homens” e, claro, “os animais são mais humanos do que os próprios homens”. Estas e outras frases já fazem parte da poluição sonora que nos apascenta. O que até é compreensível. Este animalismo pagão é o reflexo de uma sociedade de gente sozinha, triste e com enorme doses de ressentimento por tratar.

O animalista é quase sempre uma pessoa que respira raiva contra outras pessoas, contra o ex-marido, contra a ex-mulher, contra a nora, contra a humanidade em geral, esse vírus que consome a mãe natureza. O alegado amor pelos animais é só uma forma de sublimar esse ódio galopante. É compreensível.

Somos uma sociedade de divórcios, de relações instáveis, de filhos únicos, de idosos solitários que passam meses sem ver os filhos ou netos. Não há primos ou irmãos, não há tios ou tias, não há netos ou avós, não há maridos e mulheres. Neste deserto emocional, é evidente que muitas pessoas transferem as emoções para os animais; cães e gatos funcionam como espelhos passivos onde são projectados afectos e ressentimentos. “Os cães são fiéis, ao contrário das pessoas”. Tudo isto é compreensível, sem dúvida, mas há limites. E este animalismo já passou há muito os limites morais de uma sociedade civilizada.

Quem é que recebe a maior onda de indignação? O toureiro que fere um touro ou o dono do rottweiller ou pittbul que mata um bebé? A resposta é o primeiro. E o poço é ainda mais fundo. O cão recebe uma campanha de compreensão na internet. As pessoas lembram-se do nome do cão assassino e não do nome do bebé assassinado. A humanização do animal (o abate é visto como um “assassínio”) causa assim a desumanização do bebé, da criança, do ser humano.

O espantoso é que esta tribo animalista equipara moralmente uma pessoa a um cão com uma vaidade moral que faz lembrar os marxistas dos anos 50. Julgam-se superiores, acham que são a vanguarda moral, julgam-se super-humanos. E, tal como as ideologias do passado, esta hubris esconde a sua intrínseca desumanidade.

Ao equivaler o cão ao homem, o animalismo dessacraliza a vida humana, dessacraliza os direitos humanos, atira a vida humana para o estado da natureza. Os exemplos desta desumanidade já são às dezenas. O parlamento que criminaliza o abandono de animais é o mesmo parlamento que recusa criminalizar o abandono de idosos. O PAN recusa barrigas de aluguer no gado suíno mas apoia as barrigas de aluguer em pessoas. Começa a ganhar força a ideia de que um animal “consciente” tem mais valor do que um ser humano inconsciente. Exagero? Lembrem-se das declarações do líder do PAN: “há mais características humanas num chimpanzé ou num cão do que num ser humano em coma”. Portanto, se seguíssemos esta lógica, teríamos de dizer que o abate de um cão é mais indecente do que a eutanásia de um homem em coma. Se repararem bem, já lá estamos, já vivemos nesta lógica: o ar do tempo defende a eutanásia enquanto grita histericamente contra o “assassínio” de um cão.

Rir ou chorar? A sociedade que se cala ante o aborto, ante a eutanásia, ante a eugenia cada vez mais aberta, ante a nanotecnologia que cria um futuro pós-humano, ante as barrigas de aluguer que transformam bebés em bens que se podem comprar, enfim, esta sociedade que transforma o humano numa coisa é a mesmíssima sociedade que grita histérica “os animais não são coisas”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 17 out, 2017 11:08
    Se os cães têm os mesmos direitos que as pessoas abram a assembleia da republica a cães reservem lá uns lugares. Eu assino uma petição cães ruma á assembleia da republica.
  • Lila
    08 set, 2017 Lisboa 01:55
    Os animais ja não são coisas na Lei. São seres sensíveis. Como tal assim tem que ser tratados. Entende?!
  • João P Ferreira
    07 ago, 2017 Delft 23:07
    Como postulava Decartes, o que distingue um animal de um ser humano, é que o animal é o mal-animado, ou seja ani-mal, porque segundo o filósofo apologista do Racionalismo, o mal estava na irracionalidade das nossas ações, aos nos deixarmos conduzir pelos nossos instintos primários. Raposo revela neste texto assim a sua verdadeira animalidade, num texto mais saído das vísceras do que propriamente da Razão. Ninguém quer comparar os animais ao Homem, o Homem será sempre um animal hierarquicamente superior na escala de valores, e por certo que a culpa das solidão dos idosos ou da elevada taxa de divórcios, não é das criaturas animais. Mas para o que o Homem viva em saúde, paz e tranquilidade, não precisa nem de maltratar cães, nem de se deleitar com cadáveres no prato. Não é a gula e a ira dois dos pecados capitais para um católico? Raposo, neste texto, pecou duas vezes.
  • Miguel
    04 ago, 2017 Lx 00:47
    E' facil de perceber, pela forma como se exprime (elevar direitos dos animais equivale a desvalorizar direitos humanos, uma morte resultante de um acidente com um cao e' um homicidio da parte do cao assassino, e este merece a nossa indignacao, ao contrario do toureiro, etc...), que o que incomoda realmente o Henrique Raposo na evolucao do respeito pela dignidade da vida animal, e' o facto de esta colocar em causa a crenca numa interpretacao antropocentrista do cristianismo, na qual deus colocou a vida humana num patamar de valor superior ao dos restantes animais. Enquanto cidadao de uma sociedade laica, ele tem o direito a acreditar naquilo que lhe apetecer, mas se a sociedade pretende extender o respeito moral pelo valor da vida a todas as formas de vida senciente, entao ele tem que adaptar as suas crendices as normas civilizacionais dessa sociedade. Gostei da sua revolta pela "nanotecnologia que cria um futuro pós-humano" (soubesse este sonso o disparate que acabou de escrever - imagino que algum catolico ferranho tenha dito um dia algo muito semelhante sobre os computadores...ele queria falar de ficcao cientifica sobre a inteligencia artificial, mas na sua ignorancia, isto vai tudo dar ao mesmo porque sendo tudo tecnologia, estara' tudo de alguma forma ligado), e' de facto uma prioridade face a maus tratos animais como os que se ve^m nas touradas! Que senso moral tao apurado! Gostei tambem de ver um texto de odio, a acusar as vitimas de odiarem a humanidade em geral!
  • Tiago
    27 jul, 2017 Angra do Heroísmo 16:34
    Opinião de Henrique Raposo. De facto nunca pensei em perder tempo a responder a opinião de uma pessoa, até porque, toda gente tem direito a ter opiniões e devem ser respeitadas. Este indivíduo tem um nível cultural extraordinário por fala de todos os temas como se de um especialista se tratasse, vê-se bem que é apenas um ferramenta da Rádio Renascença para criar controvérsia na sociedade em geral. Alguém que exprimi deste modo, em relação a um animal que não tem o mesmo nível de inteligência que nós é no mínimo primitivo. Defender um comportamento como o tauromaquia, espectáculo que não gosto mas respeito, é no mínimo idiota. Defender um comportamento completamente irracional que é prejudicar um espécie por prazer e não por necessidade como meio de justificar a sua incompreensão em relação ao amor que humanos sentem por animais demonstra não saber rigorosamente nada sobre sentimentos, sobre a inteligência emocional, sobre personalidade ou mesmo sobre senso comum. Mantém-se no seu pedestal a mandar "pescadas", porque nem pode ser isto considerado de opiniões, revelando que tem muito para evoluir enquanto ser humanos e enquanto pessoa. Opinião Primitiva sem nexo científico baseada apenas na sua estupidez.
  • Pedro Jesus
    14 jun, 2017 Porto 17:52
    Num passado recente, Gilles Lipovetsky (A leveza), Zygmunt Bauman (Modernidade Liquida) e Umberto Ecco (no discurso de Honoris Causa em comunicação e cultura ) já chamaram à atenção do mesmo.... que Henrique Raposo chama.... Concordo a 500% com o artigo...e em vez de meter o dedo na ferida devia meter a mão inteira....mas se já assim, desta forma crucificam o homem, da outra forma mandavam-no para um campo de extermínio....e a seguir faziam-lhe o funeral como na idade média se fazia aos vampiros, um prego de prata cravado no coração, boca cozida, olhos arrancados....e um terço com alho ao pescoço....para nunca mais poder renascer....
  • Daniela
    11 jun, 2017 Esmoriz 13:12
    Este artigo só podia ter sido escrito por um português. É de lamentar. Aconselho este sr, a pesquisar como é que os animais são tratados nos países desenvolvidos, a título de exemplo, a Alemanha. Porque é que lhe incomoda tanto que os animais tenham direitos? Tem medo que os animais lhe roubem alguns direitos? Descanse. Já agora, sou feliz e amo animais.. só não gosto de gentinha como o sr. Digo ainda que quem tem a sensibilidade para amar os animais é promovido de sentimentos e, por isso, quem ajuda um animal também ajuda um ser humano.
  • mara
    09 jun, 2017 Portugal 08:57
    Caro Doutor parabéns por mais um excelente artigo, gosto imenso de animais, já tenho chorado bastantes lágrimas por alguns, no entanto não os coloco acima duma criança, dum idoso, conheço o caso dum pai, que quando os filhos eram miúdos, levava tempo sem fim agarrado ao cãozinho, e se quando estava sentado no maple o filho se sentava no do braço do mesmo empurrava-o, o homem que levava tempo agarrado ao cãozinho uma vez um dos filhos que ainda gatinhava corria o risco de cair duma escada, não o apanhou do chão, afastou-o e rebolou a criança como se fora uma bola...grande artigo tem muita razão Sr. Doutor o Mundo está numa quase demência total...
  • Ana Ávila
    17 mai, 2017 Açores 10:10
    Concordo plenamente, vivemos numa sociedade com valores morais só contrário, eu gosto de animais, aliás tenho vários mas filhos são aqueles que tive, humanos.
  • Graça Gouveia
    16 mai, 2017 Amadora. Lisboa 13:53
    Parabéns ao autor deste belíssimo artigo. Muita " gentinha " tola vai enfiar a CARAPUÇA e, votar um tremendo ÓDIO e RAIVA de morte ao CRONISTA.! Porreiro.!