O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Renascença Reportagem
O espaço de reportagem da Renascença. Terça depois das 12h
A+ / A-
Arquivo
Reportagem - Os Buéanimados - 18/04/2017 - Liliana Carona
Reportagem - Os Buéanimados - 18/04/2017 - Liliana Carona
Reportagem

​Autismo. A música ajuda-os a sair da concha

19 abr, 2017 • Liliana Carona


Percebendo a vocação dos jovens para as artes, a Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo (APPDA) de Viseu criou o projecto Buéanimados, um grupo de animadores e artistas, composto por 20 jovens adultos.

Filipe tem 22 anos, gosta de Andrea Bocelli e tem um “ouvido absoluto”, diz a mãe. O diagnóstico de autismo nos primeiros anos de vida é um muro que a música ajuda a transpor.

Está a tirar uma licenciatura em Música e faz parte dos Buéanimados, um projecto inovador lançado pela Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo (APPDA) de Viseu.

Percebendo a vocação dos jovens para as artes, criou um grupo de animadores e artistas, composto por 20 jovens adultos.

Os “BuéAnimados”, vão a festas de aniversário, casamentos, baptizados, a qualquer evento onde sejam chamados. Cantam, representam, pintam e as receitas do trabalho têm por objectivo equipar uma casa que os vai permitir viver de forma independente. A liberdade, o poderem ser autónomos já não é um sonho, mas uma realidade. “Desinstitucionalizar” é o objectivo.

Estima-se que em Portugal, uma em cada 120 crianças em idade escolar tem perturbação do espectro do autismo. Não tem cura mas o mais importante é a luta pela liberdade e autonomia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FILIPE DOMINGUES
    20 abr, 2017 VISEU 17:35
    Obrigado pela reportagem eu acho que deviam utilizar mais a musica no tratamento de crianças e jovens com autismo. Eu com tr~es anos comecei a decorar musicas inteiras que ouvia no jardim escola no entanto nessa altura não tinha capacidade para dizer algo tão simples como mãe ou pai. A música em geral é um facilitador na aquisição de novas competências na interação não só com o outro mas também com o mundo porque é uma linguagem universal que toca todos e todos conseguem sentir ou comprender.
  • Robinho
    20 abr, 2017 Gatões 08:00
    Uma espécie de encantadores de serpentes.