Nota de Abertura
A+ / A-

Soares defendeu o papel da Igreja

07 jan, 2017 • Opinião de Nota de Abertura


Perante a notícia da morte de Mário Soares, é justa e necessária uma referência ao seu papel determinante na defesa da democracia em Portugal.

A Rádio Renascença tem história e memória.

Exactamente por esta razão, e perante a notícia da morte de Mário Soares, é justa e necessária uma referência ao seu papel determinante na defesa da democracia em Portugal.

Sem abandonar os seus princípios, Mário Soares recusou os caminhos da “questão religiosa” da I República e defendeu, antes e depois do 25 de Abril, o papel da Igreja em Portugal.

Em tempos muito difíceis, Mário Soares não hesitou em defender a Rádio Renascença opondo-se à sua ocupação; e ao fazê-lo, defendeu não só a liberdade de expressão, mas também a liberdade religiosa.

Prestar homenagem à sua memória, e apresentar sentidas condolências à sua família é um dever que aqui cumprimos, certos de que só Deus conhece o coração de cada homem e de que a eternidade nos espera a todos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Indignada
    08 jan, 2017 Fig. Foz 00:14
    Tanta ignorância, é assustador. MSoares, NUNCA defendeu a Igreja em portugal, mas atacou-a na sombra pois sabia que às claras como na 1.ª república, seria derrotado. Optou por infiltrá-la, corrompê-la e usá-la a seu favor..., e constato que conseguiu! Como podem defender o pai do aborto, um dos responsáveis pela vergonhosa descolonização (ou não têm consideração pelas vítimas?), das nacionalizações, das bancarrotas de 77-78 e de 83-84, um fomentador do culto da personalidade que construiu fundações com dinheiros do povo?