Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-
Opinião

​Ministro sem rede

07 abr, 2016 • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


Politicamente, as prometidas bofetadas de João Soares são um tiro no pé. Um erro espantoso num homem que anda há tantos anos na vida pública. Mas a veterania política não é salvo-conduto para todo o tipo de disparates; antes obriga a outra responsabilidade que o ministro não teve.

Se o Governo tivesse outra cor política, o que não se diria do ministro da Cultura que respondesse aos seus críticos, oferecendo-lhes um par de bofetadas? E o que não se escreveria, nessa altura, sobre a “direita trauliteira”?

Politicamente, as prometidas bofetadas de João Soares são um tiro no pé. Um erro espantoso num homem que anda há tantos anos na vida pública. Mas a veterania política não é salvo-conduto para todo o tipo de disparates; antes obriga a outra responsabilidade que o ministro não teve.

Mas há alguém que não erre, desde a mais direita das direitas, à mais esquerda das esquerdas? Todos erram, todos erramos. Difícil é reconhecer o disparate – sem a arrogância que esconde fraqueza, mas com a humildade que revela grandeza.

Mas nesta história há outro aspecto a reter. As redes sociais não são redes privadas. Aquilo que lá se escreve tem ou pode ter repercussão pública – social, profissional, económica ou política.

As redes sociais permitem uma nova forma de relação e de intervenção, e nessa medida são úteis. Mas o lixo que por lá abunda deve ser combatido. Durante anos a fio, os meios de comunicação foram acusados - tantas vezes com razão - de se imiscuírem na vida puramente privada dos cidadãos. Mas, ironia da evolução, a tal vida puramente privada é agora sistematicamente (auto)devassada nas redes sociais.

O deslumbramento ou a impreparação para lidar com as redes sociais não são, assim, um exclusivo de João Soares. Mas ele é ministro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alex
    08 abr, 2016 Braga 11:14
    Este senhor não tem emenda. Subiu à custa do papá e da mamá. Não me parece que tenha feito nada de relevante na vida, mas não há dúvida que encaixa primorosamente bem neste governo. Nunca vi um governo tão incompetente como este. Basta olhar para a maioria das pessoas que o compõe e sente-se imediatamente uma falta de confiança incrível. .. é o ministro do microfone, é o ministro que punha as pernas da Senhora Merkel a tremer de medo, é o ministro que ameaça bater em meio mundo, enfim.... O que espera o primeiro ministro para demitir este senhor incompetente e fala barato. Alguém percebe, onde está a competência deste senhor para ser ministro da cultura ?
  • artur carvalho
    08 abr, 2016 Lx 10:10
    Além da falta de dignidade democrática o maçon Soares Júnior revela não saber escrever na língua materna pois disse "bolçar" em vez de bolsar, mas certamente deve ter aprendido na escola de verão dos socialistas trauliteiros.. Um verdadeiro boçal e ignorante este Soares que sobrevive sempre na política por sem filho de quem é e não pelos méritos próprios.