O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-
José Luís Ramos Pinheiro

Acredita no que disse?

27 fev, 2015 • José Luís Ramos Pinheiro • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


Se António Costa acredita no que disse, deve reafirmar e enquadrar o seu pensamento com clareza e coragem, sem prejuízo de outras críticas que possa e deva fazer ao Governo. Se não acredita no que disse sobre a evolução favorável de Portugal nos últimos quatro anos, então deveria explicar por que razão afirmou aquilo que realmente não pensa.

Social e economicamente Portugal está longe do que todos gostaríamos. Mas face à situação de pré-bancarrota de 2011, a situação melhorou. Há quatro anos atrás o descalabro financeiro tornou a austeridade inevitável. Num país que quase não encontrava financiamento para pagar salários do Estado não seria à custa do (inexistente) dinheiro público que a recuperação se processaria. De resto, tenho a certeza de que nenhum governo – o anterior, o actual ou o próximo - lançaria o país na austeridade por uma deliberada intenção de promover a pobreza e a degradação das condições de vida das pessoas.

Aliás, para além de Portugal, também a Irlanda e mesmo a Grécia apresentam sinais evidentes de melhoria. Ainda assim, com o acordo agora obtido junto dos seus parceiros europeus, também o Syriza veio reconhecer, na prática, que a austeridade vai continuar: não por gosto, mas por necessidade.
Mas se houve algum progresso, tal não invalida uma forte preocupação com a pobreza e o desemprego, de resto ainda mais graves na Grécia do que entre nós. E para atender aos mais pobres (tenham a nacionalidade que tiverem) são necessários outros desígnios, outras políticas e outros apoios.

Uma leitura responsável da realidade deveria permitir (a palavra obrigar, talvez seja a mais correcta) que os dirigentes políticos - estando no governo ou pertencendo à oposição - reconhecessem, mesmo em ano de eleições, o que melhorou e aquilo que ainda vai muito mal.

Aliás, a recente polémica sobre as declarações de António Costa deriva do facto de em geral não estarmos habituados a ver um dirigente da oposição adoptar um discurso razoável sobre o estado do país. A simplificação do discurso político que só permite dizer muito bem ou muito mal, deixa na sombra outras avaliações, porventura verdadeiras, sobre a realidade. Discutir política, como se um jogo de futebol se tratasse, descredibiliza a política, debilita os políticos e menoriza-nos a todos.

Por isso, ao ouvir António Costa elogiar a evolução de Portugal, dizendo que o país está agora bastante diferente do que há quatro anos atrás, fiquei satisfeito. A prevalência de Portugal sobre interesses meramente partidários é um aspecto que me sensibiliza. Mais à direita ou mais à esquerda, gosto de ver responsáveis políticos porem o país à frente de desígnios pessoais ou partidários.

Mas depois das críticas que recebeu no interior do PS veio a justificação de António Costa; e aqui retrocedi no entusiasmo. Por aquilo que ouvi, o secretário-geral do PS como que camuflou as suas verdadeiras opiniões sobre o estado do país, invocando o facto de estar a falar perante investidores estrangeiros.

Ora, sabendo-se que os empresários chineses que nos visitam e investem demonstram grande sabedoria nas operações realizadas, devo presumir que são bem informados; e não hão-de ignorar as opiniões habituais do candidato do PS a primeiro-ministro. Concluirão agora que foram privilegiados conhecendo, em primeira mão, o verdadeiro diagnóstico que o candidato a primeiro-ministro habitualmente esconde ao país? Ou que se tratou apenas de uma pequena manobra de marketing para consumo externo?

É verdade que ainda há dias, numa apressada jogada de marketing barato, ouvimos Jean-Claude Juncker afirmar que a troika pecou contra a dignidade de irlandeses, portugueses e gregos; como se o mesmo Juncker não tivesse sido, à altura, presidente do Eurogrupo. Mas estes truques de salão não ajudam a credibilizar políticos nem políticas.

Se António Costa acredita no que disse perante investidores chineses, deve reafirmar e enquadrar o seu pensamento com clareza e coragem perante o país, sem prejuízo de outras críticas que possa e deva fazer ao Governo. Se António Costa não acredita no que disse sobre a evolução favorável de Portugal nos últimos quatro anos, então deveria explicar por que razão afirmou aquilo que realmente não pensa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.