Nota de Abertura
A+ / A-
​Nota de Abertura

O resgate na Tailândia

10 jul, 2018 • Opinião de Nota de Abertura


Precisamos de nos alegrar com o bem que acontece e insistir em denunciar o mal que permanece. Só assim faremos plenamente justiça ao resgate destas vidas.

Mais do que um destino exótico de férias, a Tailândia ficará na memória do mundo como um local onde se lutou pela vida, de uma forma extraordinária.

Doze crianças e um adulto sobreviveram a 17 dias de escuridão e falta de ar, no espaço de uma gruta, fechada por águas torrenciais.

O trabalho das equipas de resgate, as imagens dos familiares, o sorriso das crianças e a imensa solidariedade que atravessou continentes são provas reais de que este mundo em que vivemos é capaz do melhor que ultrapassa todas as dificuldades, do bem, feito de forma tão generosa que a todos interpela.

Este respirar de alívio, porque foi possível salvar aquelas vidas, é ao mesmo tempo um espinho na consciência do mundo, que a cada segundo que passa, continua a deixar acontecer a guerra, a fome, a destruição do meio ambiente, a exploração dos mais fracos, o drama dos refugiados.

Precisamos de nos alegrar com o bem que acontece e insistir em denunciar o mal que permanece. Só assim faremos plenamente justiça ao resgate destas vidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    10 jul, 2018 Cacém 23:17
    Numa época de globalização, um salvamento "global" que "atravessou" o mundo. O Homem no seu melhor. No seu melhor, assim mesmo e "estranho" ao lado de tantas e tantas mortes e chacinas inúteis.