Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Venezuela, país de emigrantes

22 mai, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A crise económica, social e política na Venezuela não cessa de se agravar. As “eleições” nada adiantaram.

A Venezuela era tradicionalmente um país para onde emigravam muitos estrangeiros. Os portugueses, vindos sobretudo da Madeira, chegaram a ser cerca de meio milhão naquele país. Hoje serão menos, pois muitos regressaram por causa da tremenda crise económica, social e política que a Venezuela atravessa.

Calcula-se que, em média, 5 mil pessoas saiam da Venezuela por dia, com destino à Colômbia, Brasil e outros países sul-americanos. Hoje haverá 1,600 milhões de venezuelanos a viver no estrangeiro, contra 700 mil em 2015, quando a crise já era aguda.

As eleições de domingo passado, ganhas por Maduro, como não podia deixar de ser, nada melhoram a situação trágica da Venezuela. Aliás, mais de metade dos eleitores não votou no domingo, o que indica a fraca confiança no futuro da maioria da população. Há quem fale em dois terços de abstencionistas.

O regime de Maduro pouco tem de democrático. Eleições como estas não são justas nem livres – antes do 25 de Abril, em Portugal, também havia eleições, mas nem por isso o país era democrático. Nações latino-americanas como o Chile e o Panamá não reconhecem como válidos os resultados eleitorais de domingo. Mas a oposição a Maduro também tem culpas no cartório, pois permanece dividida, o que lhe retira força.

Maduro considerou “impecável” a eleição de domingo. Segundo informa o “Le Monde”, uma eleição onde os votantes adeptos do movimento criado por Maduro, “Somos Venezuela”, ao votarem, mostravam o seu “caderno da pátria”, para receber pontos. Estes pontos determinam que apoios sociais cada um irá receber...

Artigos AnterioresFrancisco Sarsfield Cabral
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno Vieira
    25 mai, 2018 Setúbal 18:51
    «Eleições como estas não são justas nem livres – antes do 25 de Abril, em Portugal, também havia eleições, mas nem por isso o país era democrático.» Comparar a situação portuguesa vivida antes do 25 e Abril com as eleições na Venezuela é um grande erro. O senhor deveria tentar perceber melhor a situação, em vez de copiar tudo aquilo que é dito nos noticiários a mando de Washington e União Europeia. Infelizmente, a dificuldade de um oportunista como o senhor é demasiado evidente. Fica a ideia de um cão a lamber as botas do patrão (cheias de porcaria).