O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Acolhimento de refugiados

23 abr, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Portugal sente-se alheio à vergonha europeia quanto a refugiados. Mas existem motivos para também os portugueses se envergonharem.

A par com as tendências populistas e autoritárias que se manifestam em vários países da UE, o grande falhanço europeu foi a incapacidade para dar uma reposta conjunta e adequada à entrada de refugiados, sobretudo em 2015.

Falando numa sessão promovida na quinta-feira pelo jornal espanhol “El País”, o antigo primeiro-ministro de Espanha Felipe Gonzalez observou que, nesta altura, estão a entrar na Colômbia venezuelanos fugidos da tragédia política, económica e social em que se transformou o seu país, que dispõe das maiores reservas mundiais de petróleo.

Ora a Colômbia, uma nação menos desenvolvida do que a maioria dos países europeus, está a lidar com um afluxo de refugiados em número comparável com aquele que a Europa foi incapaz de enfrentar. Decerto que os venezuelanos estão culturalmente próximos dos colombianos e até falam a mesma língua; e não há perigo de venezuelanos lançarem ações terroristas na Colômbia. Mas a comparação envergonha os europeus.

Portugal não se considera envolvido nessa vergonha, porque é modesto o número de refugiados que recebe. E a comunicação social tem informado sobre meritórias iniciativas solidárias de portugueses no acolhimento a refugiados.

No entanto, um trabalho da jornalista Ana Dias Cordeiro, no diário “Público” da passada quinta-feira, evidencia, sem o dizer, que temos infelizmente razões para também nos envergonharmos.

Desde dezembro de 2015, mais de 1500 pessoas entraram em Portugal como refugiadas, muitas das quais marcadas por tragédias horríveis na sua terra de origem e por mil perigos durante o seu percurso até à Europa. Pois desses refugiados, mais de metade já saiu de Portugal, o que não é propriamente abonatório da nossa capacidade de acolhimento e de integração.

Uma das falhas dessa integração é o inferno burocrático que os refugiados são obrigados a sofrer caso pretendam reunir a sua família em Portugal – uma condição importante para se integrarem com sucesso no país de acolhimento. É chocante que apenas um, repito, um refugiado logrou até agora reunir a sua família.

O Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS) queixou-se do Serviço de Estrangeiros e Fronteira (SEF) e da maneira como este trata os refugiados. Há práticas (ou normas?) aberrantes, como o refugiado ter que iniciar um processo para cada membro da sua família que pretende trazer para Portugal, não sendo aceites processos para o conjunto da família.

No início do ano passado, o JRS enviou ao governo, aliás em resposta a solicitação deste, um documento propondo algumas alterações às regras para o exercício do direito de reagrupamento familiar. O documento até hoje não teve resposta. A jornalista do “Público” tentou, sem sucesso, saber o que se passa em relação a este documento; depois contactou o gabinete do ministro Eduardo Cabrita. Também não conseguiu resposta.

Costumamos apontar, com orgulho, que fomos o país europeu que mais cedo aboliu a pena de morte. E que o nosso feitio aberto e humanista nos leva a acolher com simpatia os turistas estrangeiros. Pena é que, pelo menos em matéria de refugiados, essas qualidades não tenham aplicação prática.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    23 abr, 2018 Cacém 17:36
    O problema nunca esteve em acolher refugiados. Vieram com a descolonização para Portugal continental, depois de 1974 centenas de milhares de pessoas. Agora apontou, o caso da Colômbia. O problema é há pessoas que acham que que se ensinar o Ódio ou ensinar a Tolerância é a mesma coisa. Acham que o respeito pelo outro e pela diferença é inato, de "geração espontânea". Já que referiu o que passou com um país cristão, como a Colômbia trata refugiados cristãos, verifique "Setembro Negro" na Jordânia. Na Internet ou consultando literatura da época. Ao contrário de "alguns cristãos" que tem vergonha de o ser, os muçulmanos não tem vergonha de ser muçulmanos. Em vez de andar tão preocupados com a Eutanásia, deviam era pregar a Religião da Tolerância e do Amor, e não a espalhar que as Religiões são "todas iguais". Se as Religiões fossem "todas iguais", a vinda de Cristo não tinha feito sentido, não acha?