Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Capitalismo selvagem

06 abr, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Tudo indica que a Ryanair pratica um capitalismo selvagem. A UE não pode tolerar esta afronta ao modelo social europeu.

As companhias aéreas de baixo custo (“low cost”) deram e dão um importante impulso à notável expansão do turismo estrangeiro em Portugal. Com destaque para a Ryanair, uma “low cost” irlandesa criada em 1985 e que hoje é a maior da Europa.

O preço mais baixo cobrado aos viajantes por estas empresas decorre de uma oferta restrita de comodidades aos passageiros e, também, de cortes nos custos com o pessoal de voo e de terra. Só que essa poupança com o pessoal pode atingir limites inaceitáveis. Como se tem visto nos últimos dias com a operação da Ryanair em Portugal, esta companhia evidencia práticas de autêntico capitalismo selvagem.

Em 2013 a Ryanair foi multada em mais de dez milhões de euros em França por violação de leis laborais. E só no ano passado a empresa reconhecu os sindicatos como legítimos interlocutores.

A empresa desmente que exerça pressões sobre os seus trabalhadores – ameaças de despedimento a quem recusar substituir grevistas, por exemplo. Mas são inúmeros os sinais que apontam no sentido inverso. Os trabalhadores da Ryanair queixam-se, ainda, de não terem direitos de parentalidade (acompanhar filhos que nascem), serem obrigados a trabalhar quando estão doentes, não poderem gozar de períodos normais de repouso entre voos, etc. A Ryanair responde que se rege pela lei irlandesa.

Como explicou o ministro Vieira da Silva, segundo um regulamento europeu as companhias aéreas podem escolher um enquadramento legal diferente daquele que vigora no território onde os trabalhadores estão baseados. Mas esse regulamento prevê que tal opção não pode pôr em causa direitos fundamentais vigentes no país onde os trabalhadores estão instalados. Fazer valer este ponto fundamental será “uma batalha complexa, longa e dura”, alertou o ministro. Batalha necessária, que envolve o direito comunitário e, sobretudo, os valores do modelo social europeu.

Por isso a UE não pode fingir que ignora esta descarada violação dos valores de civilização que estão na sua base. A menos que prefira o capitalismo selvagem de que a Ryanair mostra ser um lamentável exemplo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Teofilo
    07 abr, 2018 lisboa 16:42
    Nesta esplanaçao fico sem saber na realidade quais são os valores do modelo social europeu ,pois quando vejo atores dos diferentes partidos falar sobre os ditos parece-me que esses valores são interpretados segundo a sua própria ideologia e portanto sem credibilidade.Merkel desafiou TRUMP através desses valores e agora está a braços na relação com EUA.Quanto á questão em si as grandes empresas possuem quadros altamente conhecedores e diferenciados para agirem como agem.A globalização desregulamentada permitiu que as grandes organizações internacionais ditem as regras em detrimento dos parlamentos ou mesmo BRUXELAS.
  • João Lopes
    06 abr, 2018 Lisboa 14:17
    Capitalismo selvagem, diga-se de passagem, que existiu nas políticas conduzidas pelo anterior governo, da sua cor política, da qual o senhor nunca teceu comentários críticos. Ou seja, se for pela «Ryanair» é mau; mas se for conduzido pelos amigos do PSD e CDS-PP não é assim tão mau e pode até ser denominado como «desempenho corajoso» para a economia portuguesa.
  • Vasco
    06 abr, 2018 Santarém 11:19
    Mas isto em democracia tal como em ditadura vale tudo desde que os interesses dos mais fortes estejam salvaguardados, o resto são tretas!.