Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A nova escravatura

15 mar, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Importa reforçar a repressão contra as condições desumanas com que por vezes são tratados, entre nós, trabalhadores imigrantes.

A falta de pessoas para trabalhar – apesar do desemprego – tornou-se um obstáculo ao crescimento de muitas empresas em Portugal. Uma empresa têxtil de Moreira de Cónegos, Guimarães, procura trabalhadores no Bangladesh; há uns anos atrás empregou numerosos ucranianos. Para albergar os trabalhadores asiáticos a empresa vai construir, junto à fábrica, uma espécie de hotel de 26 quartos.

Mas nem todos os que empregam imigrantes os tratam com um mínimo de humanidade e decência. De vez em quando descobrem-se casos de autêntica escravatura, nomeadamente em explorações agrícolas e envolvendo imigrantes asiáticos. Existem entre nós redes de tráfico humano, que se fazem pagar pelos pobres imigrantes que vêm para Portugal, enganando-os quanto ao salário (que depois não recebem) e às horríveis condições de alojamento que aqui os esperam.

Há portugueses a dirigir essas criminosas redes de tráfico de pessoas. A maior parte dos novos escravos destinam-se a trabalhos agrícolas. Mas tudo indica que Portugal funciona, também, como placa giratória para fazer entrar “escravas sexuais” na Europa.

Recentemente académicos e historiadores discutiram o papel de Portugal na escravatura dos séculos passados. Claro que os portugueses não inventaram a escravatura, mas tiveram um papel desgraçadamente importante no transporte, em condições sinistras, de escravos de África para as Américas, para o Brasil sobretudo.

Essas investigações e esses debates sobre a escravatura do passado são úteis. Conhecer o que se passou é um dever patriótico, ainda que tenhamos surpresas desagradáveis. Mas importa não esquecer os casos de uma nova e degradante escravatura que vai surgindo a público, além de muitos outros casos que permanecem escondidos. Nem poderá servir de desculpa para alguma eventual passividade das autoridades quanto a estes crimes o facto de também os portugueses serem, por vezes, vítimas no estrangeiro dessa nova escravatura.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bernardo Vasques
    15 mar, 2018 Lisboa 13:43
    O texto de Sarsfield Cabral não pode ser mais hipócrita do que é, pois o mesmo escritor sempre defendeu uma nova escravatura para Portugal, através do capitalismo defendido pelos seus amigos do PSD-CDS-PP. Normalmente, escritores, como Sarsfield Cabral, usam estes textos ou opiniões para esconderem todo o mal que representam na sociedade.
  • Ricardo Martins
    15 mar, 2018 Lisboa 12:14
    Curioso o dr. Cabral que é contra o SMN e , aplaudiu de pé a legislação laboral dos pafiosos vem agora falar de escravatura um pouco de vergonha na cara não ficava nada mal.
  • Geraldes Lino
    15 mar, 2018 Lisboa 09:06
    É estranho como alguém que defendeu um regime de escravatura em Portugal venha agora escrever contra a escravatura. Estas são as contradições de alguém que avança na idade e ainda não percebeu a senilidade que o arrasta de crónica a crónica diária.