O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Qualidade do ar - 05/02/2018
O Mundo em Três Dimensões - Qualidade do ar - 05/02/2018
O Mundo em Três Dimensões

Poluição excede limites em 130 cidades europeias

05 fev, 2018 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


46% das emissões que degradam o ar provêem dos transportes. No ano passado, a poluição atmosférica matou 400 mil europeus.

O ar limpo é uma necessidade essencial para todos. Não é apenas um luxo.

E apesar da melhoria da qualidade do ar na Europa, a poluição continua a ser uma enorme preocupação, especialmente nos grandes centros urbanos.

Há 130 cidades europeias onde os padrões de qualidade do ar são ultrapassados.

E a culpa é da indústria, da produção de energia, do aquecimento, do impacto das actividades agrícolas.

Só que, analisados os números à lupa, estas são as causas menores da degradação do ar que respiramos.

Quase metade das emissões que sujam o nosso ar (46%) vêem dos transportes.

E não vale a pena assobiar para o lado.

Vêem do seu e, já agora – mea culpa - do meu automóvel.

Utilizamos o carro todos os dias para levar os miúdos à escola, para as deslocações casa-trabalho, trabalho-casa.

O perfil do automobilista português, recentemente apresentado pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), revela que há mais de 6,5 milhões de condutores diários nas estradas portuguesas.

E num ano, um condutor português completa uma média de 9.000 quilómetros ao volante.

Cada agregado familiar português tem, em média, dois automóveis.

E três em cada cinco veículos ligeiros em Portugal tem motor a gasóleo. Híbridos e eléctricos são apenas 2%.

E o diesel é o mais sujo de todos os combustíveis.

E não é preciso recorrer a macacos para testar as consequências da exposição às partículas de monóxido de azoto e enxofre que respiramos diariamente nas nossas cidades, sobretudo as que movimentam mais tráfego, seja no IC19, na VCI, na A5 ou na Avenida AEP, seja nos Restauradores, no Rossio ou na Avenida dos Aliados.

Viver nas duas maiores cidades do país é uma condição de risco para a nossa respiração.

E, apesar da situação portuguesa até nem ser das mais alarmantes em relação a outras capitais ou grandes cidades europeias, vale a pena reter este dado (quanto mais não seja para criar consciência para o problema): em 2017, a má qualidade do ar matou 400 mil europeus. Mortes prematuras. Mortes evitáveis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.