Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Protestos no Irão

03 jan, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Trump apostou na Arábia Saudita contra o Irão. Talvez para lhe vender mais armas.

Uma semana de violentas manifestações no Irão fez mais de 20 mortos. Trata-se dos maiores protestos naquele país desde 2009, quando o desbocado Ahmadinejad foi reeleito Presidente.

A origem desta vaga de manifestações parece ser a frustração das camadas mais desfavorecidas da população iraniana: afinal, o acordo nuclear que Teerão assinou com os EUA e outros países não trouxe a prosperidade que se esperava. O que coloca numa posição incómoda o moderado Presidente Rohani, principal artífice iraniano do acordo, embora os manifestantes também critiquem a autoridade suprema do Irão, o conservador ayatollah Ali Kahmenei.

Alguns insurgem-se contra o dinheiro gasto por Teerão no apoio à Síria de Bashar al-Assad e ao Hezbollah, movimento terrorista baseado no Líbano.

Israel já apoiou os manifestantes – o Irão é a principal ameaça para os israelitas. O mesmo fez repetidamente Trump, que há muito tomou claramente partido pela sunita Arábia Saudita contra o xiita Irão. E não custa a crer que operações secretas americanas, israelitas e sauditas estejam a estimular a instabilidade no Irão.

Já se entende pior que Washington não se preocupe com a possível perda de influência dos moderados no Irão, a começar pelo Presidente Rohani, e o consequente reforço dos fundamentalistas, desde Ali Kahmenei aos fanáticos Guardas da Revolução.

A Arábia Saudita é hoje dirigida por um jovem príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman, que se diz adepto de um islamismo moderado e tolerante e que quer modernizar a economia saudita, demasiado dependente do petróleo.

Mas a prática desse príncipe herdeiro é violentamente ditatorial. E a sociedade saudita é muitíssimo menos aberta e democrática do que a iraniana.

Talvez Trump se interesse sobretudo em vender armas caras aos sauditas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • jc
    03 jan, 2018 Caparica 22:21
    Sr, Francisco não seria melhor fazer um artigo de opinião sobre mais uma venda vergonhosa do governo que apoiou com unhas e dentes chamado CTT e deixar os iranianos resolverem os seus problemas, estes pelo menos têm correios ao serviço da população !!!!,
  • Janeka
    03 jan, 2018 Olhão 20:49
    It´s politics stupid. Que conveniente os iranianos ficarem de repente insatisfeitos com o regime, e aspirarem, também eles, a uma primavera árabe.