O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Visto de Fora

​“Governe quem governe, chega a esta altura do ano há caos nas urgências”

12 jan, 2018 • Ricardo Conceição


A situação das urgências no SNS e a falta de alternativas no PSD são dois dos temas fortes do Visto de Fora desta semana. Nesta edição fica ainda o “obrigado” de Begoña Iñiguez aos portugueses e um desejo do Olivier Bonamici: usar um babete.
Visto de Fora - O país visto por dois jornalistas estrangeiros a viver em Portugal - 12/01/2018
Visto de Fora - O país visto por dois jornalistas estrangeiros a viver em Portugal - 12/01/2018

“Governe quem governe, chega a esta altura do ano há caos nas urgências.” A frase é dita por Begoña Iñiguez que não encontra em Espanha paralelo com o que se passa em Portugal. Os comentadores do "Visto de Fora" olham esta semana para o estado dos serviços de Urgência com grande preocupação.

Olivier Bonamici confessa que a primeira vez que entrou num serviço publico de saúde pensou que tinha rebentado “ali uma bomba. Caos há sempre. É uma confusão. As pessoas pagam Segurança Social, para quê?”, pergunta o jornalista francês.

Nesta 17ª edição do Visto de Fora os nossos comentadores olham ainda o PSD e mostra-se apreensivos com o futuro do partido. Para ambos, é publico e notório que a nova geração teve medo de avançar e isso é prejudicial para o partido e para o país.

Mas porque nem tudo são temas (muito) sérios, e recém-regressada da Galiza, Begoña Iñiguez aproveita o Dia do Obrigado para agradecer a simpatia dos portugueses e admite que faz escala na Mealhada para comer leitão. E no que toca à gastronomia, Olivier Bonamici deixa ainda um desejo: ir a um restaurante onde se coma com babete.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.