O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Economia das Coisas
O que não sabe, mas vai gostar de saber sobre Economia. Segundas-feiras às 9h40 e 17h40 (reposição)
A+ / A-
Arquivo
Economia das Coisas - Economistas e meteorologistas - 16/04/2018
Economia das Coisas - Economistas e meteorologistas - 16/04/2018
Economia das Coisas

Economistas e meteorologistas

16 abr, 2018 • Paulo Ribeiro Pinto


Há uma famosa piada que diz o seguinte: os economistas foram criados para dar credibilidade às previsões dos meteorologistas. A anedota serve para ilustrar as muitas vezes que falham as previsões económicas.

Um dos casos mais relevantes em que as previsões falhadas foi a crise financeira de 2007/2008, quando apenas um punhado de economistas – alguns considerados até excêntricos pelos colegas mais ortodoxos – conseguiu antever o caos que acabou por acontecer com a crise do imobiliário, da qual, 10 anos depois, ainda não recuperámos totalmente.

O Economia das Coisas foi, portanto, tentar perceber porque falham as previsões económicas com a economista Joana Andrade Vicente, do Instituto de Políticas Públicas do ISEG e que participou no livro "Uma Estratégia Orçamental Sustentável para Portugal", com muitas previsões alternativas às do Governo no programa de estabilidade.

As previsões são isso mesmo: previsões... O problema é que foram e ainda são tratadas pelos decisores políticos como certezas futuras, mas ainda ninguém consegue saber o que vai acontecer nos próximos anos.

“Ninguém consegue prever o futuro”, diz Joana Andrade Vicente, para quem a maior dificuldade são algumas variáveis sobre as quais “não temos muita informação” ou “que não têm o comportamento linear do passado”.

O problema é, portanto, que a maior parte dos modelos utilizados para fazer as previsões económicas tem por base informações do passado, com o comportamento de variáveis igual há de dezenas de anos. E, por vezes, a história não se repete.

Num outro Economia das Coisas ainda falaremos do famoso Excel, utilizado pelos economistas para fazerem as previsões económicas. Não é bem um excel, mas isso fica para a outra altura.

Para críticas e sugestões pode enviar um email para paulo.pinto@rr.pt.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    16 abr, 2018 Porto 15:05
    Qualquer econo/meteriólogo sabe que se chove não faz sol e se faz sol não chove. Mas também há situações de estar sol e a chover....aqui é que é o busílis da questão. Além do mais, os bancos só abrem o guarda chuva quando faz sol. Isto já tem barbas.