O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

​A Europa das sanções

21 jul, 2017 • Opinião de João Ferreira do Amaral


Sejam europeus ou não europeus, tenham governos de direita ou de esquerda, sejam grandes ou pequenos, uma lista crescente de países é alvo das fúrias das instituições europeias.

Desde há uns tempos para cá - por coincidência, desde que os problemas e desequilíbrios internos se têm agravado - que a União Europeia vem ameaçando ou efectivando sanções um pouco por todo o lado.

Sejam europeus ou não europeus, tenham governos de direita ou de esquerda, sejam grandes ou pequenos, uma lista crescente de países é alvo das fúrias das instituições europeias. A Rússia, a Turquia, a Polónia, a Hungria, a República Checa, a Venezuela e por aí fora são objecto de sanções actuais ou futuras.

Quando se trata de sanções económicas (o que não é o caso para todos os potenciais sancionados) os resultados são especialmente negativos porque afectam as economias não só dos estados alvo das sanções mas também as da União Europeia. Quanto às sanções políticas a estados membros da União, elas podem pôr em risco o já de si periclitante futuro da União.

Este caminho é um erro. A União não tem nem de longe a coesão para se afirmar como uma potência na cena mundial (e quanto a mim ainda bem, pois se a tivesse, tal seria sintoma que a Europa seja dominada por um dos seus estados). Por isso, estar a agitar as sanções a torto e a direito não faz qualquer sentido. Deve guardar as suas escassas munições para os casos em que esteja a ser ameaçado directamente um dos seus estados membros.

É fácil explicar a razão da emergência desta fúria sancionatória. À medida que o funcionamento da União se torna cada vez mais disfuncional, desviar as atenções para o exterior é uma tentativa (pouco original, diga-se) de esconder as fraquezas próprias.

O mais provável, porém, é que esconder a fraqueza desta forma só vá tornar ainda mais disfuncional a União.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    22 jul, 2017 porto 19:11
    Esta Europa não vai a parte nenhuma, o que é lamentável e dá razão àqueles que nunca acreditaram na sua eficácia e eficiência. ...
  • Silva
    21 jul, 2017 Lisboa 13:21
    Uma posição ideológica contra o espaço europeu, democrático, pluralista e uma apetência por regimes autoritários senão totalitários: Rússia, Turquia, Polónia, Hungria, República Checa, Venezuela.