Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

A conferência da PSP – ‘em direto de outra galáxia’

23 out, 2018 • Luís António Santos • Opinião de Luís António Santos


Porque teve um responsável da PSP, em Lisboa, que falar sobre uma operação que aconteceu toda no Porto?

Três homens foram detidos perto da cidade do Porto em flagrante delito. Foram levados à presença de um juíz no TIC do Porto. Sem se saber ainda muito bem como, fugiram para as ruas do Porto. Na sequência de uma grande operação das forças policias do Porto foram detidos num dos concelhos da área metropolitana do Porto. Foram novamente levados a um juiz no Porto. A conferência de imprensa dada ao final da tarde pela PSP para prestar esclarecimento adicionais sobre todo este insólito caso aconteceu...em Lisboa.

Li, há muitos anos, um livro de um psicólogo social britânico, Michael Billig, cujo título era ‘Banal Nationalism’; o foco da observação que lançou sobre um tema curiosamente ainda tão atual estava nos pequenos gestos, nos pequenos modos de funcionamento, nas pequenas muletas verbais. Em resumo, na sua opinião, o Nacionalismo vive e sobrevive não apenas por causa de grandes eventos mobilizadores ou estratégias de âmbito alargado, mas também por causa dos ‘pequenos nadas’, coisas banais, quase invisíveis.

Lembrei-me deste livro quando dei conta do bizarro episódio que acima descrevi. O país das estruturas políticas e de controle do Estado é frágil não apenas porque circunstâncias várias nos últimos anos forçaram cortes significativos em investimentos absolutamente necessários, mas também porque – sendo ou não efeito desses cortes – se continuaram a tomar medidas atrás de medidas para consolidar e justificar o funcionamento dos chamados ‘centros de decisão’. Que estão, invariavelmente, todos numa só cidade – Lisboa.

Porque teve um responsável da PSP, em Lisboa, que falar sobre uma operação que aconteceu toda no Porto? Imaginando que a resposta até possa envolver uma qualquer justificação fraquinha em torno do tópico ‘somos uma estrutura com hierarquia’, porque não foi o tal responsável ao Porto para que, ali, junto dos operacionais, falasse ao país? (como se terão sentido estes operacionais?).

Eu arriscaria uma resposta triste, mas simples – porque nem sequer é ‘assunto’. Está, entre nós, tão banalizado este tipo de comportamento que quase passa sem merecer reflexão. É assim, porque é assim, ora essa! ’Ir ao Porto’ é sempre tão mais difícil do que ‘vir a Lisboa’!

Nestes que são tempos em que prestamos mais atenção à gestão dos fundos do Estado importaria – com cada vez mais urgência – discutir a eficácia concreta de ter todas as estruturas de controle num só local. E os custos associados (como, por exemplo, a ‘necessidade’ de construir um novo aeroporto quando há, no país, pelos menos dois outros ainda subaproveitados).
O exercício centralizador do poder num Estado frágil é uma imagem que se associa com mais facilidade a regimes autoritários do que a regimes democráticos.

O exemplo da conferência da PSP é só um episódio banal, caricato, mas que nos alerta a todos para a necessidade de uma conversa séria e longa sobre os custos reais de uma tão grande distorção na distribuição de recursos e benefícios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FERNANDO MACHADO
    24 out, 2018 PORTO 09:32
    MUITO BEM DESUNHADO COMO DIZ O POVO. O FACTO DE TER SIDO COMUNICADO A PARTIR DE LISBOA, NÃO ADMIRA. É QUE A PRONÚNCIA DO NORTE POR VEZES CAUSA IRRITAÇÃO AOS QUE ESTÃO PERTO DO PODER. COMO DIZIA O OUTRO : NUM BALE A PENA FICAR CHATEADO, CARAGO. AQUI VAI A MINHA ADMIRAÇÃO E RESPEITO PELA PSP.