Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, das 12h00 às 13h00, com reposição à segunda-feira entre as 00h00 e a 01h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Centralismo 4.0 - 18/11/2018
Conversas Cruzadas - Centralismo 4.0 - 18/11/2018
Conversas Cruzadas

​Centralismo 4.0

18 nov, 2018 • José Bastos


O recém divulgado estudo "Assimetrias e Convergência Regional: Implicações para a Descentralização e Desconcentração do Estado em Portugal" é alvo de análise no Conversas Cruzadas desta semana.

"Portugal é um dos países mais centralizados da Europa", conclui um estudo pedido pela Associação Comercial do Porto. A mais antiga associação empresarial do país voltou a diagnosticar o estado da nação olhando para um aspecto particular: o centralismo.

A estrutura da ACP, a caminho dos 3 mil associados, responde por mais de 80% do PIB da região e quer sugerir pistas e caminhos aos decisores políticos para que Portugal encontre um 'modelo de organização do Estado que seja justo, equilibrado e moderno".

Assim, o estudo "Assimetrias e Convergência Regional: Implicações para a Descentralização e Desconcentração do Estado em Portugal", concretizado por uma equipa da Universidade do Minho coordenada por Fernando Alexandre e com João Cerejeira, Miguel Portela e Miguel Rodrigues, é debatido no CONVERSAS CRUZADAS onde também se equaciona os efeitos no todo nacional do modelo de desenvolvimento adoptado na região mais rica do país, a Área Metropolitana de Lisboa.

Fernando Alexandre, professor da Universidade do Minho, junta-se ao painel residente com o economista Luís Aguiar-Conraria, o empresário e jurista Nuno Botelho e o sociólogo Manuel Carvalho da Silva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.