O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, das 12h00 às 13h00, com reposição à segunda-feira entre as 00h00 e a 01h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - A violência no Futebol - 20/05/2018
Conversas Cruzadas - A violência no Futebol - 20/05/2018
Conversas Cruzadas

Nuno Botelho: “Ferro Rodrigues foi o histérico da semana ”

20 mai, 2018 • José Bastos


“O futebol foi apenas o mecanismo que nos permitiu ver a figura patética das três personalidades cimeiras do estado”, diz Nuno Garoupa. “Criar nova ANSD? Acho bem, mas já existe. Chama-se PSP ou GNR”, ironiza Luís Aguiar-Conraria

A classe política prometeu apertar o cerco “à selvajaria” que circula como um satélite à volta do futebol português, mas sem nunca se distanciar da sua órbita. Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Ferro Rodrigues, ficou a saber-se, não vão à bola, em mais que um sentido, com o presidente do Sporting. A pressão foi tal que Bruno de Carvalho auto ausentou-se do jogo deste domingo no Jamor.

Os acontecimentos de Alcochete levaram o poder político a reagir com uma contundência pouco habitual. O léxico usado terá até ultrapassado episódios recentes, fogos florestais incluídos. Marcelo confessou-se “vexado”. Na Bulgária, António Costa denunciou a “selvajaria”, mas Ferro Rodrigues, presidente da AR, foi mais longe. Ferro aludiu a “actos gravíssimos”, sugeriu um jogo à porta fechada e investigações à direção do Sporting.

Mas terá sido desproporcionada a operação de “choque e pavor” do poder politico voltada para o maior símbolo do populismo desportivo? Nuno Botelho não poupa, no Conversas Cruzadas, o comportamento do presidente da Assembleia da República.

“Acho que há uma histeria nacional à volta desta questão. Dava o premio "histérico da semana" a Ferro Rodrigues, porque a segunda figura do estado ir aos Passos Perdidos da Assembleia da República falar, não sobre o segredo de justiça - sabemos o que pensa -, não falou sobre Sócrates - sabemos que o queria agraciar com uma comenda -, não falou sobre Manuel Pinho, não falou sobre o caso Face Oculta, caso Galp, ou a OPA à EDP, não, nada, o senhor falou sobre a situação do Sporting”.

“Enganou-se no local, como associado do Sporting devia falar na Assembleia Geral do clube onde nunca deve ter ido. É lá que devia falar. É absolutamente lamentável a intervenção do presidente da AR e sobre isso não devemos ter meias-palavras”, diz o jurista.

Passando das críticas aos elogios Nuno Botelho isenta Marcelo Rebelo de Sousa. “Já quanto ao Presidente da República acho ter colocado bem a questão ponderando associar-se à final e conferindo alguma acalmia e reflexão à questão”, diz.

“Falando ainda em quem esteve bem, Rui Rio esteve muitíssimo bem ao relembrar o que tem sido uma bandeira na sua carreira política: manter distância da promiscuidade do futebol com a economia e não dar confiança a determinados poderes ocultos do futebol que gravitam em todos os clubes”, afirma o presidente da Associação Comercial do Porto. “Outro aspecto lamentável é que em Portugal parece não haver outro assunto que não o 'caso Sporting'. O tema que abre e ocupa telejornais é este e mostra o triste estado a que chegámos”, anota ainda Nuno Botelho

Nuno Garoupa: “O papel do futebol é permitir à classe política aparecer num registo responsável e ponderado”

Já Nuno Garoupa alerta para a possibilidade do futebol funcionar com máximo denominador da classe política eliminando a necessidade de uma dialética de confronto, porque “podem fingir estar do mesmo lado”, diz.

“Antes de se falar sériamente gostava de acrescentar uma ironia: mas os holligans de Alcochete não têm presunção de inocência? Já estão condenados com sentença transitada em julgado? É que se ainda não estão, coitados, são inocentes e as autoridades deviam estar todas caladas até o Ministério Público deduzir acusações e, depois, serem condenados”, diz o professor da Universidade do Texas AM School of Law.

“Isto leva-nos a uma classe política lamentável que não comenta alguns temas e para outros entra na onda logo nos primeiros cinco segundos da onda. Não vai na crista da onda, vai mesmo na frente da onda, a que se junta, infelizmente e com grande responsabilidade a comunicação social”, observa Nuno Garoupa.

“A classe política sente necessidade de fazer intervenções sobre tudo o que abre os telejornais e fica tudo em loop. E o futebol tem uma grande vantagem sobre outros temas porque aqui não há necessidade de forçar um ‘esquerda vs direita’. Podem todos fazer intervenções a bater em alguém fingindo estarem todos do mesmo lado. Não há o problema de ter de forçar alguma discussão, alguma ilusão ou simulacro de divisão. Esse é o grande papel do futebol em Portugal: permitir à classe política aparecer num registo responsável, ponderado, defensor dos valores nacionais, do bom nome de Portugal sem ter de estar a afrontar outros membros da classe política”, prossegue Nuno Garoupa.

E quanto à intenção do governo de criar uma Autoridade Nacional para a Segurança no Desporto (ANSD), organismo, revela o Expresso, em tudo idêntico ao extinto CNVD, pelo governo Sócrates, integrado por António Costa em 2007? “A intervenção do primeiro-ministro é absolutamente disparatada e explica porque é que o PS está onde está. Qual é a resposta nos primeiros cinco minutos? É vir anunciar uma nova autoridade e um pacote legislativo”, defende Nuno Garoupa.

“Portanto, receitas de 1998, receitas de 1995. Receitas que podem contentar alguns eleitores, mas já não satisfazem uma grande parte do eleitorado. Na minha opinião, o PS está a falar para uma percentagem muito concreta do eleitorado, não para a totalidade e isto explica a situação do Partido Socialista. Reage com receitas e bandeiras de há vinte anos. Perante o que aconteceu é completamente disparatado ir criar uma nova autoridade. É completamente disparatado pensar em alterações legislativas com base em algo que ainda nem sabemos muito bem porque teve lugar e como vai evoluir do ponto de vista do Ministério Publico. Mas lá está, primeiros cinco minutos e, já vamos criar uma Autoridade contra a Violência no Desporto”, diz o economista Nuno Garoupa a partir de Dallas, Texas.

Nuno Botelho, alude, à ‘receita PS’ para resolver problemas ao anunciar uma nova Autoridade Nacional para a Segurança no Desporto (ANSD). “É a maneira socialista de tentar solucionar as questões. Que passa por, ou fazer uma lei muito complicada que ninguém consegue cumprir, ou criar uma autoridade para dar mais uns empregos a uns boys. Essa medida não tem lógica absolutamente nenhuma e é passar um atestado de incompetência à PJ, à PSP e à GNR forças que actuam exemplarmente”, sublinha o jurista.

Luís Aguiar-Conraria: “O grau de insanidade à volta do futebol tornou-se uma normalidade”

Criar uma nova Autoridade Nacional, Luís Aguiar-Conraria? “Acho muito bem, mas essa ANSD já existe. Chama-se PSP ou, se for o caso, GNR”, responde o professor da Universidade do Minho. Aliviando o pé do acelerador de ironia, o economista acentua o lado exorbitante e de insanidade pura induzido pelo futebol ao espaço público nacional.

“É evidente que há algum exagero na dimensão política conferida à questão. Alcochete não foi nenhum atentado á nação e é óbvio que o bom nome de Portugal não está em causa e isto enquanto problema do Sporting é para o Sporting resolver. Por outro lado, ter uma acusação a aludir a terrorismo? Tenhamos noção das coisas!”, afirma Luís Aguiar-Conraria.

“Ter 50 pessoas a invadir um campo de treinos e a bater? Terrorismo? Ainda há semanas tivemos notícias de um bando de pessoas que entrou nas urgências do hospital de S. João do Porto a agredir em médicos e enfermeiros. Alcochete não é um atentado terrorista. Óbviamente não é. A soberania da nação portuguesa, o sistema político, a constituição nada está em causa e num atentado terrorista, entre outros aspectos, e é disto que estamos a falar”, faz notar o professor da Universidade do Minho.

“Por outro lado, é também reflexo da atmosfera que rodeia o futebol em Portugal. O grau de insanidade á volta do futebol tornou-se uma normalidade. E isto é anormal. Como quando há num jogo grande, as autoridades virem pedir às escolas para encerrar mais cedo, ou às lojas para fechar evitando problemas. Todas estas notícias são dadas como se fossem normais. Quando óbviamente não são nada normais. Um jogo de futebol não pode gerar este espalhafato social”, alerta Luís Aguiar-Conraria.

Nuno Garoupa: “Os três principais expoentes do estado fizeram uma figura patética e lamentável”

O jurista Nuno Botelho acentua o seu foco crítico nos media. “Quando a Quadratura do Circulo, referência do comentário político televisivo, é transferida esta semana do seu horário habitual - para discutir se o presidente do Sporting continua no cargo - lembra aquele caso de Pedro Santana Lopes. Santana estava a ser entrevistado na SIC Notícias, a comentar a crise do PSD, e é interrompido para se mostrar a chegada de um treinador de futebol ao aeroporto sem nada para dizer. Santana disse, e muito bem, estar tudo doido. Isto passou-se há uns anos e continua tudo doido”, nota Nuno Botelho.

A terminar a emissão Nuno Garoupa abre, a partir de Dallas, a ‘grande angular’. “Perceber porque razão as pessoas têm um desinteresse pela política directamente proporcional ao interesse pelo futebol deve interessar politólogos e até aqui o Conversas Cruzadas, mas essa é outra questão”, sinaliza o professor da Universidade do Texas AM School of Law.

“De facto, preocupa-me a classe política principalmente as figuras cimeiras do Estado. O senhor presidente da Assembleia da República foi lamentável, mas na avaliação também incluo as declarações iniciais do PR e do PM. Os três principais vultos do estado fizeram uma figura absolutamente patética e lamentável”, situa Nuno Garoupa.

“Ora, num país onde a classe política vai atrás destes acontecimentos e faz uma figura patética o problema é muito mais grave que o futebol. O futebol foi apenas o mecanismo que nos permitiu ver a figura patética que fizeram as personalidades cimeiras do estado”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mario Resende
    21 mai, 2018 Newark 04:53
    "É bom que autoridades judiciais, que investigam tanto os políticos, investiguem bem os dirigentes desportivos." Esta frase da segunda figura do Estado, autor, aliás, de um rol de declarações curiosas, é inacreditável. Como diria o Eça, isto não é um país; é uma choldra.
  • xico friorento
    21 mai, 2018 barreiro 01:00
    Na minha aldeia dizia um compadre para outro: "este ano é q tá mesmo frio! Um frio nunca visto! Uma vaga de frio vinda do ártico! Até vi um socialista com as mãos dentro dos próprios bolsos"
  • Zé Augusto
    21 mai, 2018 Varzea 00:45
    o Ferro é de loooonge o pior Presidente que o Parlamento de Portugal já teve. É pequenino! Que vergonha para quem o elegeu, ou talvez não! Pelos vistos quem elege não é melhor do que ele. Que vergonha para a nossa democracia.
  • Orlando Rodrigues
    20 mai, 2018 Alvor 22:00
    Ferro Rodrigues é a figura politicamente mais detestável da cena pública portuguesa. Defende a casta como ninguém, porta-se e comporta-se como o Dono Disto Tudo (DDT) da política nacional. Diz-se democrata, mas interessa-lhe apenas o clan xuxa. Não me ocorre figuraça que a populaça em surdina mais deteste. É politicamente odioso e politicamente odiado. Está a mais na cena pública. Não chega nunca o dia onde possa gozar tranquilamente a sua opípara subvenção vitalícia e as múltiplas prebendas que o cargo arrasta. Esse senhor julga-se acima do bem e do mal. Com ele a tribo PS perde milhares de votos.
  • Fernando Proença
    20 mai, 2018 Porto 20:23
    Agradeço que a RR me informe a razão pela qual ainda não publicaram o meu comentário sobre esta notícia, uma vez não continha qualquer ofensa. Na verdade o meu comentário apenas abordava o insulto gratuito de "histérico" feito ao Presidente da Assembleia da República
  • Fernando Proença
    20 mai, 2018 Porto 20:00
    Insultar o Presidente da Assembleia da República de histérico é completamente desadequado e denota uma falta de respeito e educação do comentador. A liberdade de imprensa não é concerteza insultar quem se quer muito menos a segunda figura do estado. Trata-se de mais um exemplo do jornalista populista que floresce em Portugal. Viver em democracia tem custos e um deles é termos de aturar pessoas como esta.
  • José Pedro Graça
    20 mai, 2018 Lisboa 19:08
    Este Bruno é mesmo maluco de todo, doido varrido, agora vai-se meter com a malta da maçonaria!! Até quero ver!!! Mas ...uma grande jogada......para aliviar o foco no 44........"há muitas formas de matar pulgas".......!!!!!!
  • Apache
    20 mai, 2018 Coimbra 18:39
    1- BdC é perigoso. 2- Ferro Rodrigues há muito que entende que o estado é o PS. L'État c'est moi. Logo, neste particular, Ferro Rodrigues não é muito diferente de BdC que entende que ele é o Sporting e o Sporting é ele. Aliás o que seria de vós os 2 sem essa "teta". Mas Ferro Rodrigues, metaforicamente, esse, dono da politica Portuguesa, foi efectivamente longe demais nas declarações que fez. Pode-o fazer na condição de Ferro Rodrigues, mas nunca na condição de Pr da AR. 3- Solução afasta-los a todos!! Sem excepção!
  • Ernesto Sousa
    20 mai, 2018 Lisboa 18:30
    Quase tão mau como o comportamento infantil de Bruno Carvalho é o comportamento de pessoas como Ferro Rodrigues, que prova mais uma vez que não tem qualquer categoria para o cargo que tomou de assalto e claro a duvidazinha lançada pelo PR que junta mais um bocado de gasolina à incineração a que se assiste nos media por estes dias. A hipocrisia, cinismo e pseudo-serviço publico da maioria dos media, sobretudo TV's (excepções são honrosas) que se tem atirado à "carne podre" que é o "corpo do futebol" neste país e que parece envolver tudo e todos com beneplácitos politicos óbvios - e ainda por cima sendo centrais difusoras de clubes, tal como o são de partidos, é no mínimo asquerosa. É extraordinário as horas de emissão que são dedicadas ao futebol com pessoas que nada têm a ver com desporto mas sim com opinião engajada e paga. Depois é o desfile de figuras dito públicas, mais que duvidosas, algumas delas até envolvidas em processos judiciais. Ao governo medíocre que temos é conveniente não comentar a desaceleração da economia ou por exemplo os aumentos constantes de combustíveis ou mesmo a inépcia para organizar um plano de combate aos incêndios. Só isto justifica a palermice do PM de vir dizer que talvez se realize o jogo à porta fechada, confundindo o inconfundível, enquanto se propõe gastar mais dinheiro dos contribuintes num organismo pífio suportamente para estudar a violência no desporto. Isto vindo do manicómio que é a AR com toda a gente a mentir é de rir (MUITO, mt)