O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Reportagem multimédia

Que espuma é esta que turva o Tejo?

Reportagem multimédia

Que espuma é esta que turva o Tejo?

A+ / A-

11 fev, 2016 - 08:30 • Pedro Rios , Teresa Abecasis (com Joana Bourgard)

A poluição no Tejo esteve entre os piores factos ambientais de 2015 para a Quercus. As descargas poluentes continuam e há quem tema pelo futuro do rio. A Renascença percorreu o Tejo até à fronteira com Espanha.
A+ / A-

“A água ontem estava preta. De vez em quando aparece assim, mesmo negra, negra, negra.” Júlio Letra, 75 anos, habituou-se a ver a água do Tejo com cores e cheiros pouco desejáveis, sobretudo para quem, como ele, vive da pesca da lampreia, do sável e dos outros bichos que o rio dá.

À nossa frente há uma ilha de terra e ramos secos, à nossa esquerda uma pequena marina de barcos de recreio e um restaurante cujo arroz de lampreia sacia quem visita Escaroupim, aldeia avieira de Salvaterra de Magos. A povoação preserva muitas das casas de madeira feitas nos anos 1930 por pescadores da Marinha Grande que se deslocavam para o Tejo no Inverno à procura do sável.

Na margem do rio, Júlio Letra e António “Simãozinho” traçam o diagnóstico: “As ETAR e as fábricas largam a poluição para o Tejo e depois aparece aqui em baixo”. Estamos a 70 quilómetros da foz do rio e a 170 de Vila Velha de Rodão, junto a Espanha, cuja zona industrial surge em quase todos os discursos como principal culpada do estado do Tejo.

"Isto é vergonhoso", diz-se em Escaroupim

Nada disto “é de agora”, informa António, mas nos últimos meses o problema tornou-se mais visível, denunciam os vários movimentos – uns antigos, outros mais recentes – de defesa do Tejo. 2015 foi um ano negro, diz Samuel Infante, dirigente nacional da Quercus, associação ecologista que elegeu a poluição no Tejo como um dos piores factos ambientais do ano passado. E em 2016 já surgiram mais denúncias de descargas ilegais no Tejo.

“O peixe, quando apanha água de cima, essas impurezas, vai todo para baixo. Não se apanha mesmo nada”, diz Júlio Letra, preocupado com a época da lampreia que se avizinha.

António olha para o rio e desfia um rol de exemplos de maus-tratos: um batelão deixado no fundo do rio com óleo a correr; extracções de areia; descargas que redundam em centenas de peixes mortos. Nada que possa esmorecer os “ciganos do rio” que Alves Redol imortalizou em “Avieiros” – é António que lembra o romance de 1942. Porque “a gente tem de pescar”.

“Neve negra”

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) confirma o que se diz no terreno. “No segundo trimestre de 2015, verificou-se um agravamento dos problemas de poluição no rio Tejo – e naturalmente de denúncias”, refere, em resposta escrita enviada à Renascença. Em causa está a qualidade e a quantidade da água. A “fraca pluviosidade” e as “temperaturas elevadas” que caracterizaram o ano passado contribuíram para a situação. “A redução dos caudais na rede hidrográfica tem um potencial elevado de promover a degradação da qualidade da água por via da concentração (ou, por outro lado, a perda do efeito de diluição) dos efluentes descarregados” para o rio.

Samuel Infante, dirigente nacional da Quercus, acrescenta outro factor: “Espanha não cumpre a Convenção de Albufeira e não deixa passar água nem na altura adequada, nem nas quantidades que estão convencionadas, o que faz com que haja uma concentração dos poluentes.”

Arlindo Marques, presidente do movimento SOS Tejo, chama “neve negra” à espuma que nos últimos tempos, com alguma regularidade, desce o rio. Em Ortiga, no concelho de Mação, e noutros pontos do rio, é habitual vê-lo de máquina de filmar em punho a documentar estes episódios de poluição.

Diz que já estragou algumas nas suas andanças nas margens do rio. Mas os prejuízos são compensados: “Conseguimos fazer chegar informação às pessoas. Antigamente, falava-se muito, mas não havia as imagens.” Todas as semanas há novos vídeos e fotografias de alegadas contaminações do Tejo a circular no Facebook.

Imagens da poluição captadas por Arlindo Marques

O problema agravou-se nos últimos “quatro ou cinco anos”, diz o ambientalista de Ortiga, que culpa algumas das empresas de Vila Velha de Rodão. Garante que fazem descargas ilegais à noite ou em datas como a passagem de ano – momentos em que a fiscalização tem menor capacidade de resposta. “A água vem com um cheiro a químico horrível.”

“O peixe não é parvo”

Arlindo leva-nos à garagem de Manuel Pires “Ti” Fontes. Um quadro na parede ostenta algumas quadras escritas pelo antigo construtor de barcos. A primeira: “Eu nasci em Ortiga/ O Rio Tejo me deu o sêr/ Aqui fiz a minha vida/ E aqui eu quero morrer”.

“Ti” Fontes, hoje com 89 anos, construiu três centenas de picaretos, barcos típicos do Tejo. Aprendeu a arte com o pai. Nas paredes há diplomas e notas de reconhecimento público à sua actividade. Guarda com rigor quase museológico pedaços desses tempos – mostra-nos uma planta de um picareto, num pequeno cartão. Alguns barcos, mais longos, serviam para levar mercadorias – plantas, ovelhas – de margem para margem.

“Eu faço muita coisa”, diz, a rir-se. Faz ou fazia bóias, “cestulhos” de verga que carregavam o peixe, balanças (o peixe é preso pelas guelras numa das pontas da balança, o peso é colocado na outra).

“2015 foi dos piores anos. Noutros tempos, aí há 20, 30 anos, éramos riquíssimos em peixe – não éramos ricos, éramos riquíssimos! Ali naquela zona chegaram a andar 13 barcos a apanhar o sável”, diz-nos, sentado num canto da sua garagem, com janela voltada para um Tejo parco em água. “Todos os dias olho para ele e, sabendo como ele era e como ele está agora, correm-me as lágrimas.”

"2015 foi dos piores anos", diz "Ti" Fontes

Para “Ti” Fontes, já nem o peixe sabe ao mesmo. “No ano passado comprei um peixe, uma saboga. Gosto muito daquele peixe assado. Não gostei, não sabia ao que era”, conta. Prometeu a si mesmo não voltar a comer peixe do Tejo. “O peixe não é parvo: chega ao rio e vê que a água não lhe serve e vem para trás.”

No restaurante A Lena, no apeadeiro da Barragem de Belver, a qualidade e a quantidade do peixe são motivo de preocupação. “Começou a falar-se nisto do Verão [de 2015] para cá. Começou a faltar a água, apareceram uns peixes mortos e começou a ver-se a água com muita espuma. A água está muito escura”, descreve Francisco Pinto, dono d’A Lena e pescador.

“No Verão era uma coisa por demais, era quase um esgoto a céu aberto. E isso tem-se reflectido também na venda do peixe”, diz. “Apesar de terem analisado o peixe, de dizerem que se pode comer à vontade, as pessoas estão sempre com um pé atrás quando vêem como está a água.”

No restaurante A Lena a lampreia é rainha. Mas há medo do futuro

Entre Mação e Vila Velha de Rodão tem havido pouca pesca, afirmam pescadores, ambientalistas e donos de restaurantes. Também os autarcas têm falado do problema. "O peixe não existe e quando existe está mais morto do que vivo”, lamentou o presidente da Câmara de Gavião, José Pio, numa audição parlamentar dedicada à poluição do Tejo. Na mesma audição, o autarca de Mação, Vasco Estrela, disse que os problemas têm-se vindo a agravar. “Vamos ter brevemente o festival da lampreia e tememos a má imagem que este evento possa ter”, lamentou.

Henrique Cabral, director e coordenador científico do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, faz “zoom out” e aponta melhorias na qualidade das águas superficiais em Portugal.

No Tejo, olhando para as “actividades legais e licenciadas”, “tem havido uma melhoria”, fruto de uma malha legislativa mais apertada e da criação de sistemas de tratamento de resíduos domésticos. Mas há “situações muito graves”: da poluição “difusa”, “difícil” de combater, gerada pela agricultura às descargas ilegais das indústrias.

“Compensa até certo ponto fazer essas ilegalidades porque a probabilidade de se ser punido é relativamente baixa.”

Mais denúncias

A Agência Portuguesa do Ambiente garante que está a fazer o seu trabalho. Em 2015, avançou com fiscalizações que resultaram em “autos de notícia por contra-ordenação”.

Entre as “potenciais fontes de poluição” estão a ETAR da empresa Queijo Saloio, de Abrantes; a ETAR/fossa de Ortiga I e II, das Águas de Lisboa e Vale do Tejo, a fossa do parque de Campismo de Ortiga, propriedade da câmara local; e as empresas Celtejo e Centroliva, a par da fossa da zona industrial, em Vila Velha de Ródão.

Todas as entidades foram notificadas para resolverem os problemas detectados, com excepção da Celtejo, cujo plano de investimentos, actualmente em análise, deverá incluir “medidas que permitam melhorar a qualidade dos efluentes”.

Na semana passada, a Inspecção-Geral do Ministério do Ambiente deu à Centroliva – onde tem sido “reiteradamente detectada a prática de contra-ordenações ambientais muito graves” – 30 dias para adoptar medidas para que possa continuar a exercer actividade.

Nada que surpreenda o ambientalista Samuel Infante, habituado a percorrer as imediações da empresa de processamento de bagaço e produção de energia. Nas traseiras da Centroliva passa a ribeira do Açafal, afluente do Tejo. A água é turva, cheia de espumas, o cheiro nauseabundo e a vegetação mostra todos os sinais de estar queimada por químicos.

“É uma ribeira que está praticamente morta”, critica Samuel Infante. “Tem havido descargas sucessivas, um acumular de situações, algumas com vários anos, e que este Verão [de 2015] atingiram um pico como nunca vimos. Ao navegarmos de barco parecia que estávamos a navegar em cima de manteiga – havia uma espuma, uma gelatina com mais de quatro centímetros de espessura.”

Nas traseiras da Centroliva há uma ribeira morta

Samuel Infante diz que muitas empresas não pagam as multas. “Alguma coisa não está a funcionar bem, é preciso ver o que está a acontecer. Parece-nos que o crime compensa”, atira.

Se a situação não melhorar, a Quercus admite avançar para os tribunais para forçar a suspensão de licenças. “Indústrias que têm milhões de lucro por ano têm que cumprir a legislação, têm que investir em melhorias das tecnologias para tratar os efluentes líquidos e gasosos”, defende.

É no Cais das Colunas, na foz do rio, que encontramos Paulo Constantino, porta-voz do movimento proTEJO (aderiu em 2009, revoltado com os baixos caudais). “A imagem que tenho do Tejo não tem comparação com a de há dez anos”, garante. Mas o activista acredita que ainda há tempo para “mudar esta face negra que o Tejo tem hoje” – haja “vontade política”.

Paulo Constantino, que se lembra dos mergulhos que deu no Tejo em criança, tem um sonho: “Devolver o rio às populações e vivê-lo com a alegria com que o vivíamos antigamente”.

Poluição no Tejo. Protejo
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pinto
    26 abr, 2016 Custoias 16:21
    Os esgotos de casas, empresas, matadouros e criação de porcos vai tudo parar ao rio.
  • Mario Guimaraes
    04 abr, 2016 Lisboa 09:57
    Nos Açores em S.Miguel colocam viteleiros junto a moradias atropelando uma postura municipal que estabelece duzentos metros de afastamento . A Câmara não responde a ninguém e tudo está na mesma desde à dois anos .As queixas ás Entidades Governamentais Portuguesas e à C.E.E. à Quercus não resolvem nada e a Justiça não funciona em tempo útil. A corrupção e as Entidades fantoches montadas em Portugal no 25 de Abril não funcionam é tudo um "bluff"! A C.E.E. tem uma quantidade de instituições (OLAF-contra a fraude ) nada funciona ,nada resulta! Tudo comunicado ao Governo da República e o que aconteceu o Governo mudou e voltamos ao princípio. Os Açores são uma vergonha ambiental incluindo o exposto acima o abate indiscriminado de árvores e os maus tratos animais. A vergonha de um País de lixo !
  • andre l
    12 mar, 2016 lx 10:56
    Vergonhosa é a burrice do Homem, que vive com o seu umbigo e o seu sonho de pig capitalista. Quando uns andam a apregoar o "desenvolvimento" depois isso só serve, para alegar "empregos" para "empresas" de destroem a natureza, para o pensamento da "estabilidade economica". Se há males que pecam por demasiado tardio, o problema do Rio tejo já deveria ser noticia diaria, desde os anos 80, quando o estuário já era uma poça de lodo com água turva, cheia de lixo e quimicos. Vergonha é ser lisboeta e ver todos os dias os despojos dos porcos do dia anterior. Somos um bicho muito raro, em vias de extinção.
  • Carlos
    18 fev, 2016 Vila Velha de Rodão 12:01
    Viver em Vila Velha de Ródão e viver prisioneiro na sua própria casa, não é possível respirar o ar puro, não e possível vir a janela ver a paisagem...Em Vila Velha de Ródão , compadrio e ganancia estão associados , em Vila Velha cheira mal, em Vila Velha de Rodão não é possivel viver
  • Manuel peralta
    12 fev, 2016 Alcains 01:13
    Em Alcains, castelo Branco, foi autorizada à empresa Valamb lda autorização para instalar uma fábrica tipo Centroliva de VVRódão. A Câmara ofereceu a esta empresa um terreno que adquiriu para o efeito por 65mil euros. O Sr. Samuel Infante da Quercus recebeu da Câmara de castelo branco uma sede para a Quercus. A Quercus ofereceu um parecer à Câmara de não oposição à instalação da Valamb, valorização do bagaço de azeitona. A fábrica vai poluir via ribeira da Líria, afluente do rio Ocreza, por sua vez afluente do Tejo. Portanto, passem pelo meu blogue Terradoscães e saberão mais sobre a canalhice ambiental que o autarca de castelo branco, pretende implementar em Alcains, castelo branco.
  • Vasco
    11 fev, 2016 Santarém 22:11
    Os rios são para o planeta como as veias de sangue para o nosso corpo, poluí-los é simplesmente matá-los e a tudo o que os rodeia, as indústrias são necessárias mas não o poderão ser a qualquer preço, existem novas tecnologias certamente ainda insuficientes para travar este flagelo mas em vez de se investir em armas que se invista na saúde e tecnologia que nos permita viver com melhor qualidade e que preserve o ambiente a fauna e a flora do planeta, já passei por Vila Velha de Ródão e não compreendo como as pessoas conseguem viver com tal cheiro, há dias passeio pela estrada da margem sul do Tejo entre Santarém e Samora Correia e creio que em Benavente o cheiro também era intragável.
  • Francisco Zacarias
    11 fev, 2016 Lisboa 20:12
    As gentes do nosso País, de Portugal, pela mão e cabeça dos seus des governantes tem aparvalhado a cada dia que passa. Há quarenta anos que assistimos à miserável degradação dos valores morais e delapidação irresponsável daquilo que caracterizava Portugal no Mundo Civilizado. A bandalhice instalou-se e veio para ficar. Ainda hoje vi um ser humano que mais parece um animal abandonado à sua sorte, doente e sem quaisquer recursos, que deambula +pelo meio dos carros que param no sinal de acesso à Praça Paiva Couceiro-Lisboa. Ninguém esboçou um gesto de solidariedade, incluindo-se dois agentes da PSP que no momento circulavam numa viatura descaracterizada mas, fardados de Autoridade Policial. Mas, pelo resultado das eleições, até parece que os Portugueses gostam de ser maltratados e desprezados, uma vez que ignoram o Poder do voto. Então, porque razão o voto não é declarado obrigatório e sujeito a penalizações quando os absentistas pretenderem obter um qualquer documento da Administração Pública? E, depois, o Cartão do Cidadão presta-se perfeitamente para que o Cidadão Eleitor possa votar nas Mesas de Voto existentes nos pontos habituais de votação e numa qualquer área geográfica do Território Português. Na medida devem igualmente ser incluídos os votos dos nossos emigrantes. Hoje em dia há Internet em todo o lado e os Sites são tão seguros quanto o Site da Autoridade Tributária. As listagens do Cidadãos Eleitores é que não podem, nem devem evidenciar o absentismo conhecido.
  • Sylvia De jesus
    11 fev, 2016 Neuilly sur Marne França 17:55
    Uma verdadeira tragedia, un crime e parece que as as empresas poluidoras é que mandam. Os portugueses tem que acordar, amanha ja sera tarde !!
  • Maria Graça Aragão
    11 fev, 2016 Vila Velha de Ródão 17:53
    Não é só a água, o fumo é impossível de aguentar, nomeadamente da empresa Centroliva, as entidades oficiais do ambiente pouco ou nada têm feito para resolver o problema da poluição. Ninguém fala do ruído, do ar, do aumento da temperatura do ar devido às contínuas largadas de vapor, da desertificação também devido à poluição...enfim estão só preocupados com o Tejo ...acho muito bem mas também temos direito de respirar oxigénio!.. ou não!...se perguntarem a determinadas pessoas mais de idade, em Ródão se as empresas poluem dizem que é um mal necessário...será que ainda não perceberam que é precisamente por haver poluição que há tendência para os jovens saírem dali. ou se não existissem essas empresas existiam outras ... enfim, a Celtejo especialmente, tem vindo a controlar com mestria Vila Velha de Ródão....mas não merecemos o mesmo que o resto do país, dormir sem ruído e respirar ...
  • Manuel Pinto
    11 fev, 2016 Porto 17:14
    É a raça humana a destruir a natureza. Um dia a natureza acabará com a raça humana e, falta pouco