O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Terça à Noite

“Está em causa a unidade do país”

10 out, 2012 • Raquel Abecasis

Ramalho Eanes diz que não pode haver pessoas desapoiadas e defende um grupo de sábios para fornecer soluções aos partidos.
“Um país que se preza e está preocupado com a unidade do seu povo”, não deixa que os seus cidadãos fiquem completamente desapoiados pelo estado, porque isso “põe em causa a unidade do país”, argumenta Ramalho Eanes. O ex-Presidente da República falava em declarações ao Programa "Terça à Noite", da Renascença, onde também lembrou que a Igreja Católica devia ter "uma voz mais activa" neste período de crise no sentido de defender os cidadãos.

Ramalho Eanes diz, em entrevista ao programa Terça à Noite, da Renascença, que “um país que se preza e está preocupado com a unidade do seu povo” não deixa que os seus cidadãos fiquem completamente desapoiados pelo Estado, porque isso “põe em causa a unidade do país”.

O ex-Presidente da República salienta ainda que “quando não há unidade num país, os homens passam muito rapidamente da resignação à indignação e a indignação é a mãe de todos os disparates”, acrescentou.

Nesta entrevista, Ramalho Eanes diz também que a Igreja católica devia neste momento ter “uma voz mais activa”, porque quando alguns dos “filhos de Deus e nossos irmãos estão em grande sofrimento a Igreja deve fazer ouvir a sua voz”.

Eanes defende grupo de sábios para fornecer soluções aos partidos

Ramalho Eanes sugere que seja criado um “grupo de sábios”, que inclua pessoas como Silva Lopes e Bagão Félix, para apresentarem aos partidos “um projecto de pacto de crescimento e de estado” que possa reunir o mínimo de consenso em torno do qual se possam realizar as reformas necessárias no país.

Eanes considera impensável que se venha a abrir uma crise política, mas diz também que “em situações de emergência não pode haver tabus”, por isso não rejeita uma solução à Italiana, embora sublinhe que o melhor é a estabilidade em torno deste Governo.