O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.

Doar cabelo. Um bocadinho de si pode fazer a diferença

31 out, 2014 • Inês Alberti

As doações de cabelo, recebidas pelo IPO em Lisboa e no Porto, são transformadas em cabeleiras para os doentes com cancro.
Doar cabelo. Um bocadinho de si pode fazer a diferença
Quando Vanessa Nunes, 22 anos, contou à família que tinha cortado o cabelo comprido para doar à Liga Portuguesa Contra o Cancro, a sua família “fartou-se” de a elogiar “e dar beijinhos”.

“Isto foi na altura do meu aniversário e a minha família estava toda lá em casa. Os meus avós até começaram a chorar quando olharam para o cabelo curto”, conta à Renascença a 'blogger'.

Depois de dois anos a deixar crescer o cabelo, Vanessa foi ao cabeleireiro para “mudar o visual, como qualquer rapariga”. Até aí, não sabia que era possível doar o cabelo, mas, quando a sua cabeleireira o sugeriu, não pensou duas vezes: “Cortava o que fosse preciso cortar. Não estava muito preocupada com o resultado final, tendo em conta a importância que teria, para além da questão meramente estética. Cortámos e foi assim que começou”.

Com um rabo-de-cavalo com mais de 30 centímetros como resultado final, Vanessa informou-se junto do IPO de Lisboa, enviou o cabelo pelo correio e "já está!".

Como Vanessa Nunes, muitos outros dadores e dadoras ofereceram o seu cabelo para a criação de cabeleiras verdadeiras para oferecer aos doentes com cancro que perderam o seu cabelo.

Como doar
Se, para alguns, a dor da agulha pode ser impeditiva para fazer uma doação, por exemplo, de sangue, então, a doação de cabelo é uma alternativa mais fácil e, claro, completamente indolor.

No IPO do Porto são aceites "tranças com 25 centímetros de comprimento no mínimo", explica a Drª. Onorina, da direcção da Liga Portuguesa Contra o Cancro do Porto. O cabelo deve estar lavado, seco e não deve estar pintado. A doação pode ser entregue directamente no Centro de Voluntariado do hospital, ou, para quem quiser, é possível cortar o cabelo no próprio cabeleireiro do IPO.

Já em Lisboa, é preciso que o comprimento ultrapasse os 30 centímetros. Também deve estar lavado, seco e sem tintas. A doação pode ser entregue pessoalmente ou pelo correio, endereçado à Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Para produzir uma peruca, um processo longo e dispendioso, são precisas, pelo menos, três doações, no caso de uma cabeleira curta. Contudo, se não quiser perder o cabelo, há outra forma de ajudar, na 2ª edição da Hairstylist Week, de 10 a 16 de Novembro. É um projecto solidário de âmbito nacional.

Durante a semana, os salões aderentes vão disponibilizar um menu de coloração e 'brushing' a preços mais acessíveis, do qual uma parte reverta para a Associação Laço, para uma bolsa de investigação sobre as causas do cancro da mama.

[notícia actualizada dia 7 de Novembro]