Vasco Graça Moura defende suspensão do acordo ortográfico

29 dez, 2012

Presidente do Centro Cultural de Belém defende uma renegociação com os restantes países e diz ser “delirante” manter  acordo quando o Brasil o empurrou mais três anos.
Vasco Graça Moura defende suspensão do acordo ortográfico

Vasco Graça Moura defende a suspensão do acordo ortográfico. É a reacção de uma das vozes mais críticas a esta medida, depois de o governo brasileiro ter anunciado o adiamento da aplicação obrigatória do acordo para Janeiro de 2016.

Em declarações à Renascença, o presidente do Centro Cultural de Belém defende a suspensão do acordo em Portugal e uma renegociação com os restantes países.
 
“O Brasil vai rever o acordo, portanto é completamente delirante nós ficarmos para trás. Agora vamos ter três grafias: a brasileira actual, a africana, porque Angola mantém e muito bem as regras ortográficas que estão em vigor e não as do acordo, e a portuguesa, que é uma coisa sem pés nem cabeça”, critica Vasco Graça Moura.

“Penso que vai ter de acontecer forçosamente a suspensão da resolução do conselho de ministros de 2009 e que se volte a permitir a forma, negociando entretanto a revisão do acordo com os outros países”, defende.   

As críticas reiteradas de Vasco Graça Moura ao acordo ortográfico no dia depois de o Governo brasileiro anunciou o adiamento da aplicação obrigatória da medida até Janeiro de 2016.