Fátima

Santuário de Fátima reforça aposta no Centro de Acção Social

03 set, 2011

O reitor do Santuário de Fátima sublinha, em declarações ao programa "Terra Prometida" da Renascença, a dependência exclusiva dos donativos dos peregrinos.
Santuário de Fátima reforça aposta no Centro de Acção Social

Começou esta sexta-feira, em Fátima, o terceiro turno das férias para mães com filhos portadores de deficiência. Durante esta semana as crianças estarão a cargo dos técnicos do Centro de Acção Social do Santuário.

Este Centro de Acção Social é das facetas menos conhecidas do Santuário de Fátima, uma aposta a manter pelo novo reitor, o padre Carlos Cabecinhas, num momento de acentuada crise social.

“O Santuário sentiu ser seu dever desenvolver, também, esta dimensão e apostar mais ainda neste Centro de Acção Social, que já existia, mas que foi profundamente renovado e melhorado”, salienta o reitor.

Nestas declarações ao programa “Terra Prometida” da Renascença, o padre Carlos Cabecinhas sublinha que as ofertas monetárias dos peregrinos não são remetidas para o Vaticano. Uma parte dos donativos é mesmo canalizado para o Fundo de Apoio Social.

O reitor do Santuário de Fátima sublinha a dependência exclusiva dos donativos dos peregrinos.

“O Santuário não recebe subsídios extraordinários de outras instituições, bem pelo contrário. Muitas são as instituições que pedem subsídios ao Santuário. O Santuário vive do dinheiro dos peregrinos, isto é, do dinheiro que os peregrinos entregam quando vêm ao próprio Santuário. Daí o sentirmos a grande responsabilidade que é o gerir bem estas ofertas dos fiéis”, afirma.  

Este é um excerto de uma entrevista ao reitor do Santuário de Fátima ao programa “Terra Prometida”, que pode ouvir este sábado, depois das 23h30, na Renascença