Papa convida ortodoxos e católicos a olharem-se com “olhos da fé”

28 jun, 2014 • Filipe d’Avillez

Francisco recebeu uma delegação de ortodoxos que o vieram cumprimentar por ocasião da festa de São Pedro e de São Paulo, em Roma.  
Papa convida ortodoxos e católicos a olharem-se com “olhos da fé”
O Papa Francisco convidou este sábado tanto católicos como ortodoxos a olharem-se com “olhos da fé” para poderem continuar na rota do diálogo ecuménico, rumo à unidade plena.

As palavras do Papa foram proferidas esta manhã diante de uma delegação da Igreja Ortodoxa, enviada pelo Patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, primus inter pares dos patriarcas ortodoxos.

Tradicionalmente Constantinopla e Roma enviam delegações uma à outra para assinalar as festividades dos respectivos santos padroeiros. O dia de Santo André, padroeiro de Constantinopla, é 30 de Novembro, este sábado, 28 de Junho, festeja-se o dia de São Pedro e de São Paulo.

Aos presentes, o Papa recomendou um novo olhar: “Sabemos que a unidade é um dom de Deus, um dom que mesmo agora o Altíssimo nos concede a graça de obter quando, pelo poder do Espírito Santo, optarmos por olhar-nos com os olhos da fé para nos vermos como somos verdadeiramente no plano de Deus, de acordo com os desígnios da sua eterna vontade, e não como aquilo em que nos transformámos em resultado das consequências históricas dos nossos pecados”, explicou.

No seu curto discurso, o Papa falou ainda do conceito de Ecumenismo de Sangue, protagonizado pelos que dão a vida pela sua fé: “Temos de deixar-nos arrebatar pelo olhar amoroso de Cristo sobre a Igreja, sua esposa, na nossa viagem espiritual de ecumenismo. É uma viagem sustentada pelo martírio de tantos dos nossos irmãos e irmãs que, pelo seu testemunho de Jesus Cristo, nosso Senhor, protagonizaram um ecumenismo do Sangue”.

Francisco recordou com grande afeição o seu recente encontro na Terra Santa com o Patriarca Bartolomeu, que culminou numa oração conjunta diante do Santo Sepulcro e teve continuidade passado alguns dias em Roma, para uma oração pela paz que juntou ainda os presidentes de Israel e da Autoridade Palestiniana.