O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
Europeias 2014

"Há incentivos para o aborto e não há para a vida?"

08 mai, 2014

Partido Portugal pro Vida (PPV) quer chegar ao Parlamento Europeu para colocar a economia ao serviço das pessoas e promover medidas de apoio à natalidade.

Um subsídio para a natalidade e um novo referendo à lei do aborto são duas propostas avançadas pelo cabeça-de-lista do partido Portugal pro Vida (PPV) às eleições europeias, em entrevista à Renascença.

“Por que não subsidiar a natalidade? Por que deixaram acabar com o abono de família? Por que haveremos de subsidiar o aborto? Há incentivos para o aborto e não há incentivos para a vida?”, questiona Acácio Valente.

Para inverter a actual crise demográfica, o candidato do PPV defende também que as empresas devem implementar um “plano pró-família”, nomeadamente através da flexibilização dos horários de trabalho.

“Eu venho do Interior de Portugal, de Vila Real. Como é que uma pessoa que não tem maternidade, escolas, caminhos-de-ferro… quem é que vai ter um filho se não tem nada depois. Tudo isto é para desertificar o Interior do país. Uma sociedade sem população não tem crescimento, não tem futuro”, sublinha.

Acácio Valente recupera a frase esta “economia mata”, do Papa Francisco, para defender uma mudança profunda na sociedade, em que a economia seja o garante da dignidade das pessoas e do bem-comum.

Em relação aos objectivos para as eleições europeias de 25 de Maio, o PPV estabelece uma meta ambiciosa: a eleição de três eurodeputados.

Esta entrevista ao cabeça-de-lista do PPV abre uma ronda de entrevistas da Renascença aos 16 cabeças-de-lista às eleições europeias de 25 de Maio.